Topo

Sobe para seis o número de mortos após forte terremoto no Chile

Do UOL, em Santiago

2014-04-02T08:04:39

2014-04-02T14:13:31

02/04/2014 08h04Atualizada em 02/04/2014 14h13

Seis pessoas morreram --quatro homens e duas mulheres-- em Iquique e Alto Hospicio, no norte do Chile, após o terremoto de magnitude 8,2 que sacudiu a região no começo da noite desta terça-feira (1º). As mortes foram confirmadas pelo ministro do Interior do país, Rodrigo Peñailillo. Segundo ele, uma mulher morreu depois que sofreu uma queda, e uma das morte foi por ataque cardíaco. As demais ainda não foram esclarecidas.

Arte UOL
Imagem: Arte UOL

O tremor, o mais poderoso registrado no mundo neste ano, provocou cerca de 60 réplicas até o momento e gerou um alerta de tsunami, que foi retirado às 6h41.

Ondas de mais de dois metros, no entanto, atingiram algumas partes do litoral, provocando deslizamentos de terra, que bloquearam estradas próximas à cidade de Arica. Segundo informações dos Comitês Regionais de Operações de emergência, cerca de 900 mil pessoas foram evacuadas da costa chilena.

Em Iquique, era possível observar casas sem telhados, janelas quebradas e estantes e mercadorias no chão nas lojas. Incêndios e acidentes na estrada que liga Iquique ao resto do país e cortes de luz em Arica também foram registrados.

Os serviços básicos de comunicação e água potável, porém, não sofreram danos.

O terremoto provocou danos na torre de controle do aeroporto local e os voos para as três capitais do norte, Antofagasta, Iquique e Arica, foram cancelados.

No porto da cidade, quase 80 embarcações ficaram avariadas e outras foram arrastadas. O mar avançou quase 200 metros, segundo o governo de Iquique, e inundou avenidas.

Imagens da TV chilena mostraram a população abandonando as regiões costeiras, de forma ordenada, formando longas filas de automóveis. Prédios foram destruídos e milhares de pessoas ficaram sem luz. Em um supermercado, produtos desabaram das prateleiras e os clientes tiveram de sair às pressas. 

"Estamos indo embora com as criança e com o que podemos, mas está tudo entupido de gente saindo dos prédios na praia", disse Liliana Arriaza, 32, que estava partindo de carro com seus três filhos.

Na manhã desta quarta, a energia começou a ser restabelecida nas zonas afetadas, segundo informações da Oficina Nacional de Emergência de Chile (Onemi). Segundo o diretor nacional da entidade, Ricardo Toro, 50% da luz já voltou em Arica e 30% em Iquique. Os aeroportos do norte do país tiveram suas atividades interrompidas depois do terremoto, mas já estão voltando a operar.

Segundo Mitchel Cartes, intendente da região de Tarapacá, onde fica Alto Hospicio e Iquique, 300 das 320 presas do Centro Penitenciário de Iquique fugiram durante o esvaziamento da prisão, que estava em uma zona de inundação. As Forças Armadas e os Carabineiros (polícia militar do Chile) trabalhavam para prender as fugitivas. Autoridades chilenas informaram posteriormente que pelo menos 110 detentas já haviam sido recuperadas

A presidente Michelle Bachelet suspendeu suas atividades para percorrer a região do terremoto. Em entrevista coletiva, ela decretou estado de "catástrofe" nas províncias de Arica, Parinacota e Tarapacá, todas no extremo norte do país, próximas da fronteira com o Peru. Com o decreto, os chefes da Marinha e da Aeronáutica do país deverão "assumir o comando da ordem pública e prevenir situações de saques e desordem, além de colaborar com a autoridade da área nos esforços de ajuda que já começaram".

Ela embarcou por volta das 8 horas para a região afetada, acompanhada de ministros e secretários. O sub-secretário do Interior, Mahmud Aleuy, informou, ao chegar a região (ele foi mais cedo) que a situação é normal e não foram registrados saques na cidade de Arica. 

As aulas estão suspensas nesta quarta em todo o país.

Epicentro no mar

O terremoto foi registrado às 20h46 (19h46 de Brasília), durou dois minutos e teve seu epicentro no mar, a 20 quilômetros de profundidade e a 85 km ao sudoeste de Cuya, próximo à cidade de Iquique, onde foram registradas ao menos duas ondas com mais de dois metros e o aeroporto foi fechado.

O sismo pode ser sentido no Peru e na Bolívia, onde prédios chegaram a balançar por alguns segundos.

No Peru, o terremoto abalou as regiões de Tacna, Arequipa e Moquegua, onde faltou luz. Nove pessoas ficaram feridas e algumas casas foram danificadas.

No Equador, o presidente Rafael Correa disse no Twitter que "todos na costa devem ficar atentos e preparados".

Situado no Cinturão de Fogo do Pacífico, onde ocorrem 80% dos terremotos do mundo, o Chile tem atividades sísmicas frequentes. A região já estava em alerta por uma série de terremotos de intensidade média nas últimas semanas. Em março, uma evacuação já havia sido ordenada depois que um terremoto com 6,4 de magnitude atingiu a mesma região do país, e 100 mil pessoas tiveram que deixar a área.  

Em 2010, um terremoto de magnitude 8,8 provocou um tsunami que causou grandes danos em várias cidades costeiras no centro-sul do Chile, matou 524 pessoas e feriu 800 mil. Em 1960, uma área no sul do país foi atingida por um terremoto de 9,5 de magnitude, o que causou 1.655 mortes e um tsunami que atingiu o Japão e o Havaí. (Com BBC Brasil e agências internacionais)

Mais Internacional