PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Animação mostra conflito na Palestina sob a ótica de Israel

Entenda a ofensiva de Israel em Gaza

  • Como o novo conflito começou?

    A tensão aumentou drasticamente após o sequestro de 3 jovens israelenses na Cisjordânia, em junho. Israel então fez missão de busca que prendeu 420 palestinos e matou 6 inocentes. Após 18 dias, os corpos dos jovens foram achados. Vários grupos jihadistas assumiram o crime. Mas Israel culpa o Hamas, que não se posicionou. Depois, um palestinos de 16 anos foi morto em Jerusalém por judeus radicais

  • Em qual contexto político o crime aconteceu?

    As relações entre os governos israelense e palestino já estavam tensas desde que, em abril, Hamas e Fatah anunciaram governo de unidade nas regiões autônomas palestinas. O presidente palestino, Mahmoud Abbas, disse que o novo governo reconhece os acordos de paz assinados, mas Israel acha que Abbas não pode fechar acordo com Israel e, ao mesmo tempo, com o Hamas, que quer a destruição de Israel

  • Por que a área do conflito é polêmica?

    Os jovens israelenses eram de assentamentos em território palestino da Cisjordânia considerados ilegais pela ONU por violar o artigo 49 da Quarta Convenção de Genebra, de 1949, que proíbe a transferência violenta de população civil para outro Estado. Israel discorda dessa interpretação e alegando que a área nunca teria sido parte de um Estado soberano e que o acordo não se aplica ali

  • Por que a ONU fala em "emergência humanitária"?

    A ofensiva de Israel está cada vez mais sangrenta. Em poucas semanas, mais de mil palestinos foram mortos nos ataques em Gaza, inclusive dezenas de idosos e crianças. Cerca de 53 mil soldados israelenses agem em uma pequena faixa de terra de 362 km2, ondem vivem meio à extrema pobreza 1,8 milhão de palestinos. A ONU diz que mais de 3/4 das vítimas são civis e já são mais de 80 mil desabrigados

Do UOL, em São Paulo

24/07/2014 21h51

Uma animação publicada no YouTube mostra como alguns israelenses enxergam o conflito com a Palestina. Sob a ótica de quem é “sempre atacado”, o vídeo insinua que Israel é provocado pelos palestinos e, quando vai se defender, é impedido com uma série de “táticas”.

O desenho mostra um menino (uma metáfora para o governo de Israel) constantemente provocado por um colega, identificado com uma bandana verde, que remete à bandeira palestina. Quando tenta atacar, o menino não consegue porque o colega irritante esconde-se atrás de meninas indefesas.

Na sequência, o menino continua sendo atacado pelo colega irritante e, quando tenta bater nele, fica com pena. O diretor da escola chega e os obriga a fazer as pazes.

O vídeo está no canal no YouTube da Fisesp (Federação Israelita do Estado de São Paulo). "Entenda de maneira didática a situação no Oriente Médio. Às vezes, você só tem que se defender...", diz a descrição ao fim do vídeo.

Desde que a operação militar Limite Protetor começou, há 17 dias, ao menos 700 palestinos foram mortos. Segundo a ONU, a maioria das vítimas palestinas são civis. Israel disse ter perdido pelo menos 32 soldados em confrontos; três civis israelenses morreram. 

Internacional