Pelo Twitter, Obama confirma visita a Cuba em março

Do UOL, em São Paulo

  • Anthony Behar/Xinhua/Zumapress

    Presidentes Castro e Obama se cumprimentam na sede da ONU, em setembro de 2015

    Presidentes Castro e Obama se cumprimentam na sede da ONU, em setembro de 2015

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, anunciou nesta quinta-feira (18) em sua conta no Twitter que viajará para Cuba em março, na primeira visita de um presidente norte-americano em exercício à ilha nos últimos 88 anos. 

A viagem será realizada entre os dias 21 e 22 do mês que vem, de acordo com a Casa Branca. A primeira-dama, Michelle Obama, acompanhará o chefe de Estado. Na sequência, o presidente irá para a Argentina.

"No próximo mês, viajarei a Cuba para avançar nosso progresso e nossos esforços que possam melhorar a vida do povo cubano", escreveu Obama.

"Quatorze meses atrás, anunciei que iríamos normalizar as relações com Cuba, e conseguimos um progresso significativo. Nossa bandeira está hasteada em nossa embaixada em Havana novamente. Mais americanos estão viajando para Cuba [hoje] do que em qualquer momento nos últimos 50 anos. Ainda temos diferenças com o governo cubano, das quais cuidarei diretamente. Os EUA sempre estarão ao lado dos direitos humanos no mundo inteiro", adicionou o presidente, também na rede social.

A histórica viagem acontece em meio ao processo de retomada de relações entre os dois países, anunciado em dezembro de 2014. Desde então, o secretário de Estado dos EUA, John Kerry, visitou a ilha, Washington tirou o país caribenho da lista de nações que apoiam o terrorismo e as duas partes avançaram no que diz respeito à abertura de viagens e negócios bilaterais. 

A última viagem de um presidente norte-americano a Cuba ocorreu em 1928, quando Calvin Coolidge visitou a ilha, 31 anos antes da Revolução Cubana comandada por Fidel Castro, que levou o país a um regime socialista.

Casa Branca/Reprodução
O presidente dos EUA Calvin Coolidge (segundo à esquerda) e sua mulher, Grace Coolidge, posam para foto com o presidente de Cuba, general Machado y Morares (direita) e sua mulher, Elvira Machado, na residência oficial em Havana, Cuba, em 19 de janeiro de 1928

Papa Francisco e Canadá intermediaram diálogo

Na sequência do anúncio, Obama indicou no Twitter um texto redigido por Ben Rhodes, consultor de comunicação e segurança da Casa Branca, explicando os motivos da viagem e revelando que as negociações para aproximar os países começaram ainda no início do governo Obama, a partir de 2009.

O texto oficial diz que "colocando de forma simples, a política dos EUA contra Cuba não estava funcionando e já ia muito além de sua data de expiração".

"Os EUA estavam isolados em seu próprio hemisfério, e no mundo inteiro, que discordada de nossa abordagem. Mais importante que isso, nossa política não tornava a vida dos cubanos melhor e, em muitos aspectos, estava a tornando pior."

Segundo a Casa Branca, negociações secretas intermediadas pelo governo canadense e apoiadas pelo papa Francisco e pelo Vaticano permitiram que Cuba e EUA anunciassem a retomada das relações em dezembro de 2014.

Direitos humanos

Obama indicou que o tema de direitos humanos será abordado na viagem. "Continuamos a nos opor e criticar as restrições a direitos como liberdade de expressão e reunião, e o espaço para uma sociedade civil independente - que os EUA apoiam no mundo inteiro", diz a Casa Branca.

"Mesmo não buscando impor uma mudança a Cuba, acreditamos que o país sairá beneficiado quando os cubanos poderem exercitar seus direitos universais. O presidente Obama levantou essas questões em suas discussões com o presidente Castro e continuará a fazer isso."

O texto também enumera os progressos na aproximação entre os países, com a visita mais constante entre cidadãos dos dois países e a retomada do comércio - na última segunda-feira, foi confirmada a construção da primeira fábrica de norte-americanos em Cuba.

Autoridades norte-americanas também anunciaram a retomada de voos comerciais entre os países. Segundo a Casa Branca, até 110 voos diretos entre Cuba e EUA poderão ser realizados diariamente.

Aceno à América Latina

A viagem a Cuba deve fazer parte de um giro pela América Latina, disseram fontes da Casa Branca, que pediram anonimato, à emissora norte-americana ABC. A presidência norte-americana confirmou apenas uma viagem de Obama e Michelle à Argentina, "um país com um novo presidente que quer iniciar um novo capítulo de relações boas com os Estados Unidos".

O texto da Casa Branca também diz que a mudança no tratamento abre portas para os EUA na América Latina, "uma região que se opunha à nossa política com Cuba, e que agora dá boas vindas" a essa nova abordagem. (Com agências internacionais)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos