PUBLICIDADE
Topo

Arábia Saudita anuncia para o Brasil um décimo do que prometeu para a Índia

O presidente da república Jair Bolsonaro durante o encontro com sua Alteza Real, Mohammed bin Salman, Príncipe Herdeiro do Reino da Arábia Saudita. Foto: José Dias/PR - José Dias/PR
O presidente da república Jair Bolsonaro durante o encontro com sua Alteza Real, Mohammed bin Salman, Príncipe Herdeiro do Reino da Arábia Saudita. Foto: José Dias/PR Imagem: José Dias/PR

Diogo Schelp e Luciana Amaral*

Do UOL, em Riad (Arábia Saudita)

01/11/2019 04h01

Resumo da notícia

  • Arábia Saudita anunciou investimentos de US$ 10 bi no Brasil
  • Riad foi a última parada de Bolsonaro em viagem pelo Oriente
  • Montante corresponde a 10% do que o país prometeu para a Índia
  • Primeiro-ministro indiano esteve em Riad ao mesmo tempo que Bolsonaro
  • Os sauditas têm uma das maiores economias do mundo árabe

A Arábia Saudita anunciou que investirá US$ 10 bilhões no Brasil, o equivalente a cerca de R$ 40 bilhões. O valor foi recebido com entusiasmo pelo governo federal e é considerado o melhor resultado do giro do presidente Jair Bolsonaro (PSL) pela Ásia e pelo Oriente Médio.

Os recursos são significativos para o Brasil, cuja economia ainda patina, mas pequenos se comparados com outros investimentos anunciados pela Arábia Saudita — uma das maiores potências do mundo árabe, que tenta colocar em prática um ambicioso plano para diversificar sua riqueza e diminuir a dependência do petróleo.

Somente na Índia, a Arábia Saudita anunciou investimento de US$ 100 bilhões, segundo o ministro do Comércio e Investimento saudita, Majid bin Abdullah Al Qasabi. O valor é dez vezes o que a nação árabe destinará ao Brasil.

A promessa para a Índia foi feita no início deste ano, e o anúncio brasileiro foi feito na última terça (29).

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, esteve em Riad, capital saudita, ao mesmo tempo que Bolsonaro. Assim como o brasileiro, discursou no fórum Iniciativa para Investimentos Futuros, voltado a investidores e chamado de "Davos do deserto", em referência à cidade suíça que abriga o Fórum Econômico Mundial.

Ambos se encontraram com o rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz, e com o príncipe herdeiro, Mohammed bin Salman.

A população brasileira atual é de 210 milhões de habitantes, segundo o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). A indiana é estimada em 1,3 bilhão de habitantes, de acordo com dados da ONU (Organização das Nações Unidas).

Além de contar com uma população cerca de seis vezes maior do que a brasileira, a Índia também é a maior fornecedora de mão de obra estrangeira para o país árabe, contribuindo com 22% de sua força de trabalho, segundo o jornal indiano Hindustan Times.

A Índia ainda é considerada estratégica para a Arábia Saudita devido à sua localização na Ásia.

Para onde irão os investimentos sauditas?

No caso da Índia, já está acertado inclusive como boa parte do dinheiro será aplicada. A estatal saudita de petróleo, a Saudi Aramco, em parceria com uma empresa dos Emirados Árabes Unidos e de três companhias indianas, construirá na Índia a maior refinaria do mundo.

O investimento total será de US$ 60 bilhões, sendo que a Arábia Saudita vai entrar com mais da metade do valor, US$ 35 bilhões, conforme anunciou o ministro Al Qasabi nesta quinta-feira (31).

O governo indiano tinha escolhido o local para a obra, em Ratnagiri, cidade portuária, mas teve que recuar depois de protestos de produtores locais de manga.

"Estamos esperando o governo da Índia escolher um novo terreno", disse Al Qatabi. "A bola está com eles."

No Brasil, prioridade será a projetos ligados à agricultura.

Ele explicou que a Arábia Saudita é "altamente dependente" por importar cerca de 85% da comida consumida no país. Por isso, precisam de segurança alimentar e buscam o Brasil como parceiro estratégico no setor.

Al Qatabi acrescentou que o Brasil avançou muito em serviços e logística nos últimos anos, portanto, os sauditas também estarão de olho em projetos de privatizações e infraestrutura.

Esses projetos deverão ser viabilizados por meio do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), sob responsabilidade da Casa Civil. Uma comissão para prestar assistência técnica aos sauditas deverá ser criada.

*Os jornalistas viajaram a convite do governo da Arábia Saudita.

Internacional