PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conflito entre EUA e Irã: existe lado certo na crise entre os dois países?

O presidente dos EUA, Donald Trump, e o do Irã, Hassan Rouhani - Montagem com AFP Photo e Presidência do Irã
O presidente dos EUA, Donald Trump, e o do Irã, Hassan Rouhani Imagem: Montagem com AFP Photo e Presidência do Irã

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

09/01/2020 04h02

Resumo da notícia

  • A ação dos EUA que matou um general iraniano gerou posições antagônicas
  • Especialistas e colunistas do UOL avaliam o conflito
  • Trump afirma que general morto era terrorista
  • E o Irã acusa os EUA de ter cometido um ato criminoso

Era madrugada de sexta-feira (noite de quinta no Brasil) quando um ataque perto do Aeroporto Internacional de Bagdá, no Iraque, matou o segundo homem mais importante do Irã, o general Qassim Suleimani. A ação gerou tanta tensão no mundo que se chegou a falar em risco de uma Terceira Guerra Mundial.

Em um simulacro da Guerra Fria, Brasil e países da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) saíram em defesa dos Estados Unidos, enquanto Rússia e China declararam apoio ao Irã, que prometeu vingança.

Ontem, em pronunciamento, o presidente dos EUA, Donald Trump, voltou a dizer que Suleimani era terrorista. Para o Irã, Suleimani morreu como "mártir" e a ação norte-americana foi "uma aventura criminosa".

Veja argumentos a favor de cada um dos lados desse conflito:

Argumentos que embasam a ação dos EUA:

  • "General era burro e superestimado":

"Trump ordenou o assassinato do homem que era possivelmente o mais burro do Irã e o estrategista mais superestimado do Oriente Médio", escreveu o comentarista político Thomas L. Friedman para o jornal americano The New York Times. "Em 2015, os EUA e as principais potências europeias concordaram em suspender praticamente todas as suas sanções em troca de o Irã interromper seu programa de armas nucleares por meros 15 anos."

"E o que Suleimani fez com esse golpe de sorte? Lançou um projeto imperial regional agressivo que tornou o Irã e seus representantes o poder controlador de fato em Beirute, Damasco, Bagdá e Saná. Isso assustou os aliados dos EUA no mundo árabe sunita e Israel, que pressionaram o governo Trump por uma resposta."

  • Pressão econômica era insuficiente para barrar o Irã

"Os americanos concluíram que terão que aumentar a força e que, no Oriente Médio, para ser levado a sério, você deve usar violência", afirma Faris Modad, diretor para o Oriente Médio da consultoria IHS Markit.

"Trump estava usando apenas a pressão econômica, e apenas com isso não seria bem-sucedido. Agora, ele está usando pressão econômica e violência, com pouca, mas alguma chance de sucesso."

  • O assassinato do general não foi burrice

"A justificativa americana de que matou Suleimani porque o Irã fez o mesmo com um funcionário americano e ainda tentou invadir sua embaixada é uma justificativa aceita por muitos americanos", afirma o cientista político Sérgio Praça, da FGV. "Se os simpatizantes de Trump aceitarem esse argumento, ele tem um trunfo: como os EUA estariam sob ameaça, 'matamos um sujeito que nos causou muitos problemas'."

"Acho que o Trump aposta que o Irã não é capaz de responder na mesma proporção. Se isso acontecer, será uma vitória para Trump. Até agora é uma vitória. O assassinato do general não foi irracional nem burrice, foi ousado."

Vai rolar uma Terceira Guerra Mundial?

UOL Notícias

Argumentos contrários à ação dos EUA:

  • "O interesse de Trump é se reeleger":

"Trump precisa criar fatos novos por estar sofrendo um processo de impeachment. Embora não deva dar em nada porque o Senado tem maioria republicana, ele sai desgastado e precisa manter sua base aliada unida", acredita a professora de relações internacionais da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) Cristina Pecequilo.

Em Israel, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu também sofre pressão e ameaça de impeachment. "Quando o cenário é bastante instável no Oriente Médio, quem tem discurso de guerra ganha popularidade", afirma.

  • "EUA querem vender armas"

"Os Estados Unidos são um dos maiores fabricantes de armas do mundo. E onde é a melhor região para vendê-las? No Oriente Médio", afirma o xeque Houssein Khaliloo, 42, o líder religioso do Centro Imam Al Mahdi, em São Paulo.

"E para vender essas armas é preciso grupos terroristas, como o Estado Islâmico, criado e financiado pelos americanos. Como o general começou a combater esses grupos, os EUA começaram a perder a influência sobre a região. Por isso eles se organizaram para matar Suleimani. Ele era um símbolo da resistência contra esses braços armados."

Em SP, líder islâmico defende legado de general morto no Irã

Nenhum dos lados tem razão

  • Pelos iranianos e contra os aiatolás

"Os Estados Unidos estão colhendo os frutos de erros cometidos ao longo de décadas na política externa, com apoios a tiranos e com intervenções militares desastradas", afirma o colunista de política internacional do UOL, Diogo Schelp.

"Do outro lado, uma ditadura teocrática que persegue gays, oprime mulheres e promove o terrorismo internacional. Nesses termos, se houver guerra, resta torcer a favor dos iranianos — mas contra os aiatolás. Ou seja, que a população civil seja minimamente afetada, mas que o regime que a oprime sofra o máximo revés."

  • Dá para ter um lado: o do povo sofrido do Iraque

"Tanto os Estados Unidos quanto o Irã deveriam deixar o Iraque", afirma o colunista do UOL Leonardo Sakamoto. "Ambos os governos defendem, hipocritamente, a ocupação do país com suas forças militares sob a justificativa do risco representado pelo grupo terrorista Estado Islâmico/ISIS e para ajudar na reconstrução do país."

"Se quisessem ajudar Bagdá a se reerguer, criariam um fundo para a reconstrução do país e deixariam a tarefa para os próprios iraquianos, auxiliados por forças sob o comando das Nações Unidas para impedir que o ISIS se beneficie do vácuo de poder" diz. "Dá para ter um lado sim, o do povo sofrido do Iraque."

Khamenei: ataque com mísseis é 'bofetada' nos EUA

AFP

Internacional