PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Morte de Breonna Taylor 'não é sobre raça', diz policial envolvido no caso

O policial Jonathan Mattingly não foi indiciado pela morte de Breonna Taylor - Departamento de Polícia Metropolitana de Louisville
O policial Jonathan Mattingly não foi indiciado pela morte de Breonna Taylor Imagem: Departamento de Polícia Metropolitana de Louisville

Do UOL, em São Paulo

21/10/2020 20h47

Um dos policiais envolvidos no assassinato de Breonna Taylor afirmou que a morte da afro-americana "não é uma coisa de raça". Em entrevista para o canal ABC News, o policial Jonathan Mattingly ainda criticou os protestos nos Estados Unidos que, segundo ele, "tentam" criar relação entre o caso e o preconceito racial.

"Há muita desinformação. Isso não é parecido com o que aconteceu com George Floyd. Estávamos fazendo o nosso trabalho, respondendo ao fogo. Não caçamos ninguém nem nos ajoelhamos em seu pescoço".

Breonna Taylor morreu na noite de 13 de março quando três policiais com trajes civis entraram em sua casa com uma ordem de busca. Com a movimentação, o namorado de Breonna confundiu os agentes com ladrões e atirou na direção deles. Os policiais reviraram e vários tiros atingiram a enfermeira.

Mural em Annapolis, Maryland, que retrata Breonna Taylor, assassinada pela polícia americana - Patrick Smith/Getty Images - Patrick Smith/Getty Images
05/07/2020 - Mural em Annapolis, Maryland, que retrata Breonna Taylor, assassinada pela polícia americana
Imagem: Patrick Smith/Getty Images

Durante a entrevista, Jonathan Mattingly diz sentir "principalmente frustração" assistindo aos protestos em reação à morte de Breonna, que se tornou um símbolo para o movimento "Black Lives Matter" (Vidas Negras Importam).

No mês passado, a Justiça de Louisville, onde aconteceu o caso, indiciou apenas Brett Hankison por envolvimento direto na morte. A condenação do policial pode chegar a cinco anos de prisão. Para Benjamin Crump, advogado que representa a família de Breonna Taylor, é um escândalo o fato de nenhum dos policiais ser criminalmente implicado pela morte dela.

Internacional