Topo

Conteúdo publicado há
11 meses

Choro e vacina: Operação contra Bolsonaro repercute em jornais nos EUA

Bolsonaro sempre afirmou que não tomou nenhuma vacina contra a covid-19 - Adriano Machado/Reuters
Bolsonaro sempre afirmou que não tomou nenhuma vacina contra a covid-19 Imagem: Adriano Machado/Reuters

Do UOL, em São Paulo

04/05/2023 08h59

Jornais dos Estados Unidos repercutiram a operação da PF que investiga a atuação de um grupo suspeito de adulterar o cartão de vacinação do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) para que ele pudesse entrar no país.

O que aconteceu?

O New York Times afirmou que a PF apura registros de vacinação "forjados". O jornal norte-americano disse que os cartões adulterados "podem ter ajudado" Bolsonaro a entrar nos Estados Unidos e a "contornar" restrições sanitárias.

O veículo ainda citou a decisão do ministro Alexandre de Moraes, do STF, que afirmou que as provas que ligam Bolsonaro ao caso são "plausíveis, lógicas e robustas". Ao descrever a reação do ex-presidente, a publicação diz que Bolsonaro "pareceu chorar" ao negar fraude.

O Washington Post publicou que o ex-presidente brasileiro tentou "enganar" autoridades americanas. O periódico informou também que a polícia acredita que Bolsonaro estava ciente de que cometeu fraude.

O Wall Street Journal, por sua vez, destacou Bolsonaro como "cético por muito tempo" no Palácio do Planalto. "O ex-líder enfrenta acusações de que mentiu sobre tomar vacina contra a covid-19 para viajar aos EUA", disse a publicação.

PF prendeu ex-ajudante e apreendeu celular de Bolsonaro

A PF deflagrou ontem uma operação que investiga a inclusão de dados falsos sobre vacinação contra covid-19 nos sistemas do Ministério da Saúde. A suspeita é que Bolsonaro teria sido um dos beneficiados.

O tenente-coronel Mauro Cid, que foi ajudante de ordens de Bolsonaro, foi preso. Além dele, mais cinco pessoas foram detidas, incluindo policiais militares e um coronel do Exército.

A PF investiga se o cartão de Bolsonaro foi fraudado para entrar nos Estados Unidos. Por isso, houve busca e apreensão na casa do ex-presidente.