Conteúdo publicado há 2 meses

Embaixada dos EUA na Rússia alertou sobre possível ataque em Moscou

A embaixada dos Estados Unidos na Rússia havia alertado em 7 de março sobre um possível ataque em locais públicos de Moscou.

O que aconteceu

Embaixada anunciou que estava monitorando relatos de que extremistas tinham planos para atingir aglomerações. O texto foi publicado no site da representação diplomática. O alerta foi emitido horas após o Serviço Federal de Segurança da Rússia ter frustrado um ataque a uma sinagoga em Moscou por uma célula do grupo Estado Islâmico.

O governo dos EUA chegou a indicar que concertos poderiam estar entre os alvos. O alerta tinha validade de 48 horas. "Os cidadãos dos EUA devem ser aconselhados a evitar grandes reuniões", disse a embaixada há duas semanas.

O texto indicava ações a serem tomadas. "Evite multidões, monitore a mídia local para atualizações e esteja ciente do que está ao seu redor".

Ataque deixou ao menos 62 mortos

Um tiroteio e uma série de explosões no Crocus City Hall, uma casa de shows na região de Moscou.

Ao menos 62 pessoas morreram, segundo a imprensa russa. Cerca de cinco pessoas com trajes camuflados invadiram a casa de espetáculos e dispararam indiscriminadamente.

Em vídeos publicados nas redes, as pessoas aparecem tentando fugir do prédio. Ao fundo, é possível ouvir metralhadoras. Os relatos começaram a surgir por volta das 20h15 (horário local).

Continua após a publicidade

Também foram relatadas explosões, que deixaram o prédio em chamas. Até 100 pessoas podem estar presas no prédio, segundo o canal da Crocus no Telegram.

Centenas de pessoas aguardavam uma apresentação do grupo Picnic quando o ataque começou. Os músicos da banda, porém, não ficaram feridos, relatam os serviços operacionais russos.

O telhado da casa de espetáculos começou a desabar por volta das 20h47. Os bombeiros não puderam iniciar a extinção do incêndio devido à ameaça à vida das pessoas que ainda estão no prédio, informou o site de notícias Fontanka. Helicópteros estão sendo enviados ao local para extinguir o fogo de forma menos arriscada, informou o Diário de Notícias.

Cerca de 50 ambulâncias foram enviadas ao local. O Departamento de Transportes informou que a estação Myakinino, próxima à Crocus, está aberta para entrada e saída de passageiros.

A Rússia anunciou que abriu uma investigação sobre "atentado terrorista" após o ataque a tiros em Moscou.

Prefeitura de Moscou cancelou todos os eventos públicos deste fim de semana. O governador da região de Moscou, Andrey Vorobyov, foi até o local do ataque: "Fui até o local. Uma sede operacional foi criada. Todos os detalhes virão mais tarde", afirmou, em seu canal do Telegram.

Continua após a publicidade

Segunda explosão. Uma segunda explosão foi ouvida na casa de shows, perto de Moscou, local onde já havia ocorrido o tiroteio mais cedo, informaram agências de notícias.

Ucrânia nega envolvimento

A Ucrânia, que está em guerra contra a Rússia, negou envolvimento com o ataque. A Casa Branca corroborou o posicionamento e disse que "não há nenhuma indicação neste momento" do envolvimento ucraniano. A sede do governo dos EUA também disse que as imagens do tiroteio são "horríveis e difíceis de assistir".

O ex-presidente russo Dmitri Medvedev, vice-presidente do Conselho de Segurança, disse que o governo "eliminará" líderes ucranianos, caso o envolvimento seja confirmado. "Se ficar estabelecido que se tratam de terroristas do regime de Kiev (...), serão localizados e destruídos sem piedade, como terroristas. Inclusive os dirigentes do Estado que cometeu semelhante atrocidade".

*Com informações da AFP e da Reuters

Deixe seu comentário

Só para assinantes