Topo

Fogo no Pantanal destrói área equivalente à cidade do Rio de Janeiro

Foco de incêndio na região do Pantanal, no MS, às margens da rodovia BR-262 - Chico Ribeiro/Governo de MS
Foco de incêndio na região do Pantanal, no MS, às margens da rodovia BR-262 Imagem: Chico Ribeiro/Governo de MS

05/11/2019 08h20

Os incêndios que atingem o Pantanal brasileiro destruíram nos últimos dez dias 122 mil hectares de vegetação, uma superfície equivalente à do munícipio do Rio de Janeiro, segundo dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) do Brasil.

O INPE anunciou ainda que este mês ocorreu um grande aumento de queimadas no Pantanal. Em três dias foram registrados 393 focos de incêndio quando a média para todo o mês é de 405 focos.

Neste ano, 8.875 focos de incêndio (486% a mais em relação ao mesmo período do ano passado) foram detectados na região. Em outubro houve 2.430 focos de incêndio, maior número desde 2002.

O fogo ainda se espalhou por dois importantes pontos para o Pantanal: o Parque Estadual do Pantanal do Rio Negro, considerado berço dos peixes do bioma, e uma parte da Serra do Amolar, que também abriga diversas espécies animais e vegetais.

As autoridades locais mobilizaram três helicópteros e três aviões para combater as chamas. Imagens das áreas afetadas mostram jacarés e outros animais do bioma que morreram queimados.

O governo de Mato Grosso do Sul classificou a destruição como "de proporções nunca antes registradas".

Os incêndios no Pantanal começaram há cerca de três meses, coincidindo com a estação seca, mas intensificaram-se nas últimas semanas. Os incêndios começaram quase ao mesmo tempo que as queimadas registradas na Amazônia brasileira. Na Amazônia, porém, onde até agosto o desmatamento parecia fora de controle, a situação se reverteu nos últimos meses.

Na maior floresta tropical do mundo houve uma redução de 19% das queimadas em setembro de 2019 em relação ao mesmo mês do ano anterior, segundo dados mais recentes divulgados pelo INPE.

O sargento André Marti, do Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso do Sul, disse que os agentes encontraram diversos animais carbonizados nas áreas afetadas do Pantanal. Para Marti, os danos são "gigantescos". "É impactante, porque a região é um santuário de animais, tanto de silvestres quanto de gado."

Marti informou que uma aeronave sobrevoou a área afetada, jogando jatos de água para abrir caminho, em meio às "linhas de fogo", para os brigadistas que transitavam por terra. "É um difícil acesso. São áreas longínquas, com mata, às vezes", afirmou o sargento. Segundo ele, os bombeiros têm se revezado nessa tarefa porque a rotina é "fatigante".

A região atingida pelo incêndio encontra-se em um dos mais importantes biomas do mundo. No Pantanal, já foram identificadas quase 2.000 espécies de plantas. No bioma, também vivem muitas espécies que já estão ameaçadas em outras regiões do Brasil.

Meio Ambiente