Topo

Biólogos tiram canudo de nariz de tartaruga e vídeo viraliza

Reprodução
Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo (SP)

2015-08-21T06:00:00

21/08/2015 06h00

O lixo marinho ganhou destaque mundial na última semana por causa de um vídeo que mostra a retirada de um fragmento plástico, parecido com um canudo, de uma das narinas de uma tartaruga-marinha. Se quiser assistir ao vídeo, clique aqui, mas já deixaremos avisado que o conteúdo é chocante devido ao sofrimento do animal. O vídeo já atingiu quase 4 milhões de visualizações no You Tube.

O material foi filmado pela bióloga marinha Christine Figgener, no dia 10 de agosto. Ela realizava uma pesquisa de campo para o doutorado em Guanacaste, na Costa Rica. Ela estuda na Universidade A&M no Texas, nos Estados Unidos.

“Estávamos capturando tartarugas para o estudo e encontramos essa específica. É comum encontrarmos tartarugas marinhas machucadas, mas geralmente é por causa de arpões ou redes de pesca, ou ainda mordidas de tubarões, mas nunca havia visto um canudo preso no nariz de uma delas. Ficamos muito chocados quando percebemos o tanto de dor que ela sentia. Ao voltarmos para a terra firme, resolvemos subir o vídeo na internet para mostrar para o público os perigos de se jogar lixo nas praias”, afirmou a pesquisadora em entrevista ao UOL, por e-mail.

Os pesquisadores criaram uma campanha no site GoFundMe para ajudar no trabalho que ela realiza. Até o momento, Chris já arrecadou cerca de US$ 7 mil. “As pessoas esquecem que para proteger efetivamente as espécies é preciso observá-las. O dinheiro ajudará na minha tese de doutorado assim como no desenvolvimento de um kit de primeiros socorros específico para as tartarugas. Não estamos em busca de animais machucados como o do vídeo, mas uma vez estando na linha de frente, observando centenas de animais, estamos constantemente testemunhando os efeitos do consumismo desenfreado do homem”, concluiu.

Segundo o mestre em oceanografia biológica Gabriel Monteiro, casos como esse são comuns. "Tartarugas ingerem até sacolas plásticas, pensando serem organismos gelatinosos como águas-vivas, item comum na sua dieta. Com a ingestão elas podem sufocar ou, ainda, não conseguir mais se alimentar". Ele afirma que casos como esses poderiam levar o animal à morte, apesar de não ser possível afirmar com certeza que a tartaruga do vídeo morreria. "Não é possível afirmar se o animal morreria por conta do fragmento. É possível que o animal desenvolvesse algum tipo de infecção que comprometesse sua qualidade de vida, caso o fragmento permanecesse em sua narina", acrescentou.