Topo

Brasil deveria receber mais verba por "bom trabalho" ambiental, diz Salles

Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles - Lucas Seixas/UOL
Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles Imagem: Lucas Seixas/UOL

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

21/08/2019 19h47

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou hoje, após sobrevoar a chapada dos Guimarães, em Mato Grosso, que não há incentivo do governo a desmatamento ou queimadas da Amazônia e assegurou que o Brasil deveria receber mais recursos para a área por ter um trabalho destacado na questão ambiental.

"O Brasil precisa permanentemente manter boas práticas de sustentabilidade e mostrar que segue regras internacionais, inclusive em relação à mudanças climáticas, ao acordo de Paris. Aliás, precisamos receber mais recursos em razão do bom trabalho realizado no país, há oportunidades muito grande no país para pagamentos de serviços ambientais, de ecossistemas. Ou seja, uma gama enorme de ativos ambientais que precisam ser politizados", afirmou, em resposta a uma pergunta feita sobre as críticas internacionais feitas ao agronegócio brasileiro --que para Salles "é exemplo para o mundo por sua sustentabilidade".

A declaração do ministro contrapõe fala do presidente Jair Bolsonaro, no dia 11, que afirmou que o governo brasileiro não precisava do dinheiro da Alemanha para reflorestar a Amazônia, em resposta ao corte de envio de verbas para o Fundo Amazônia.

Sobre a liberação de recursos do Fundo Amazônia, que está com envio de recursos paralisado, Salles disse que está em negociação --o Fundo tem pelo menos R$ 1,3 bilhão à espera de destinação. "Há demandas dos estados, eu hoje mesmo conversei com o governador [Mauro Mendes-DEM] para que tenhamos uma destinação muito clara para que esses recursos sejam destinados a ações concretas, para equipamentos. É com essa visão que queremos avançar na questão do fundo", pontuou.

Sobre a fala de Bolsonaro hoje de que ONGs poderiam estar por trás do aumento de queimadas na Amazônia, Salles não entrou em polêmica e desconversou ao ser questionado se concordava com a afirmação.

"O que nós verificamos em todas áreas que vimos aqui é que em alguns locais foi de forma intencional, em outros incidentais. Aqui na cidade foram colocados claramente de forma proposital, o que é muito ruim para a saúde da cidade", despistou.

O ministro também garantiu que não há falta de recursos federais para combate aos incêndios. "Não há corte na destinação na destinação final nos recursos de combate a incêndio, tanto que estamos aqui com mesmo número de brigadista, com quatro aeronaves sobrevoando. O clima está mais quente, mais seco, com mais vento, e isso propicia uma propagação maior do fogo", afirmou.

Por fim, o ministro ainda garantiu que o governo não está incentivando qualquer ação de desmatamento na Amazônia. "Todas as atividades criminosas precisam ser duramente combatidas. O Brasil precisa ser um país em que a lei é cumprida. Não há nenhum incentivo [ao desmatamento], pelo contrário. Mas a Amazônia é uma região equivalente a 48 países, uma área grande, de difícil fiscalização --o que requer cada vez mais tecnologia", afirmou.

Meio Ambiente