PUBLICIDADE
Topo

Meio Ambiente

Marina Silva: 'Supremo terá oportunidade de fazer justiça aos indígenas'

Colaboração para o UOL

25/08/2021 18h52

Em entrevista ao UOL News na noite de hoje, a ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva comentou sobre o marco temporal para demarcação de terras indígenas, que deve ser julgado amanhã pelo STF (Supremo Tribunal Federal). Na avaliação de Marina, o Supremo terá a oportunidade de fazer justiça aos povos indígenas.

"Enquanto o Congresso Nacional está debatendo uma proposta de regularização fundiária para quem ocupou terra pública de forma criminosa, por grilagem até 2018, em alguns casos eles estão querendo que se tenha a demarcação de terras indígenas e homologação dessas demarcações somente para aqueles estavam nessas áreas ou lutando por elas até a Constituição de 88", disse ela.

"Os que estavam aqui antes da chegada dos colonizadores terão que se submeter a lógica de até a Constituição de 88. Os que invadem essas áreas de forma criminosa, roubando terra pública, madeira, minério, são agraciados com título definitivo, portanto adicionando um capital, em termos de recursos de terra, floresta e de uma série de benefícios. O Supremo agora terá a oportunidade de fazer reparação e justiça aos povos originários."

Com o marco temporal, os indígenas só podem reivindicar a demarcação de terras se já estivessem lá antes da promulgação da Constituição Federal de 1988.

Marina Silva também avaliou os discursos do governo Bolsonaro com relação aos direitos da população indígena nos seus territórios. Segundo ela, o presidente tem um discurso "preconceituoso, desinformado e violento".

"Ele ganhou a eleição dizendo que não ia marcar mais um centímetro de terra indígena. A cabeça de Bolsonaro é reacionária, totalmente alheia a tudo aquilo que diz respeito à diversidade, à uma visão civilizatória de compreender a beleza dessa diversidade social e cultural que nós temos no nosso país. Ele faz um discurso de enfraquecimento da narrativa da proteção e respeito dos povos indígenas."

Na avaliação da ex-ministra, os indígenas são uma "segurança para nossa soberania". "Existem regiões do nosso país que a única forma de garantir a presença do Estado, a língua brasileira naquele lugar, é a presença dos povos indígenas."

Meio Ambiente