PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus ajudou líderes latinos a reverter normas ambientais, diz Global Witness

Índio ianomâmi em mina de ouro na Amazônia; indígenas estão entre principais vítimas entre os que lutam contra desmatamento - REUTERS/Bruno Kelly
Índio ianomâmi em mina de ouro na Amazônia; indígenas estão entre principais vítimas entre os que lutam contra desmatamento Imagem: REUTERS/Bruno Kelly

29/07/2020 09h28

Um relatório da ONG britânica Global Witness, divulgado hoje, constata uma "intensificação dos problemas ambientais com governos de todo o planeta" durante a pandemia do novo coronavírus. A constatação vai na contramão do que a ONG considera vital para o contexto de uma reconstrução do mundo pós-covid: mais verde, com defesa e a proteção dos ambientalistas.

"Nos Estados Unidos, Brasil, Colômbia, Filipinas... políticos se serviram da crise sanitária para tornar mais draconianas as medidas para controlar os cidadãos e reverter normas ambientais que custaram tanto para ser implementadas", destaca o relatório.

As estratégias, continua o texto, vão de campanhas de calúnia a julgamentos espúrios para silenciar quem luta contra o aquecimento global, sendo inclusive acusados de delinquentes ou terroristas. As mulheres representam 10% destas mortes e, às vezes, também são vítimas de violência sexual.

A ONG destaca ainda as poucas vitórias obtidas por ativistas "corajosos e tenazes". É o caso dos indígenas Waorani, da Amazônia equatoriana, onde a justiça bloqueou o ingresso da indústria do petróleo às suas terras ancestrais. "É por nossas florestas e para as futuras gerações", insistiu Nemonte Nenquimo, um dos líderes. O governo apelou da decisão judicial.

Recorde de assassinatos

O ano de 2019 ainda registrou um recorde de 212 assassinatos, em todo o mundo, de líderes que lutam contra o desmatamento, a mineração e projetos agroindustriais em zonas florestais ou protegidas, aponta o relatório.

Segundo a organização, 33 ativistas foram assassinados na Amazônia, a maioria do lado brasileiro, lutando contra o desmatamento provocado por megaprojetos agrícolas e de mineração.

"Em um momento em que precisamos proteger mais do que nunca o planeta das indústrias destrutivas e que emitem CO2, os assassinatos dos defensores do meio ambiente e da terra nunca foram tão numerosos" desde que começaram a ser contabilizados, em 2012, alerta a ONG britânica.

As vítimas são líderes indígenas, guardas florestais responsáveis por proteger a natureza e ativistas ambientais. O relatório anual, que será publicado nesta quarta-feira (29), supera as cifras de 2017, quando houve 207 mortes.

E, como ocorre todos os anos, "nossos números certamente estão subestimados", adverte a Global Witness. Do total de mortes em 2019, dois terços ocorreram em territórios latino-americanos. Metade dos homicídios foi praticado em dois países: Colômbia, que com 64 vítimas ocupa um lugar de destaque no relatório, na América Latina, seguida das Filipinas, com 43 mortos.

Nestes dois países e no restante do mundo, os representantes dos povos indígenas (40% dos assassinados em 2019) que vivem integrados ou perto da natureza "enfrentam riscos desproporcionais de represálias" por defender "suas terras ancestrais".

Assassinatos acontecem em todo o mundo

Nas Filipinas, Datu Kaylo Bontolan, líder do povo Manobo, morreu em um bombardeio em abril de 2019, quando sua comunidade lutava contra um projeto de mineração, o setor contra o qual mais ambientalistas morreram. A agroindústria vem logo depois, com 34 ativistas assassinados, contrários às fazendas de palma, açúcar e frutas tropicais, grande parte na Ásia.

O combate ao desmatamento custou 24 vidas, um aumento de 85% com relação a 2018, enquanto as florestas são essenciais para enfrentar o aquecimento global. A defesa das florestas pode levar à morte inclusive na Europa, o continente menos afetado por assassinato de ecologistas.

Na Romênia, em uma das florestas mais importantes do velho continente, pratica-se o desmatamento ilegal. O guarda florestal Liviu Pop foi morto a tiros em outubro ao surpreender desmatadores.

Depois, um outro foi assassinado com um facão. Apesar de a "impunidade da corrupção generalizada" dificultarem a identificação dos autores destes homicídios, o relatório aponta o crime organizado, quadrilhas locais, organizações paramilitares e inclusive forças policiais.

"Muitas violações dos direitos humanos e do meio ambiente são consequência da exploração dos recursos naturais e da corrupção do sistema político e econômico mundial", destacou Rachel Cox, representante da ONG, acrescentando que as empresas responsáveis são as mesmas que "estão nos levando para uma mudança climática incontrolável".

(Com informações da AFP)

Meio Ambiente