Governadores do Nordeste fiéis a Lula disparam e podem vencer no 1º turno

Carlos Madeiro

Colaboração para o UOL, em Maceió

  • Ivan Cruz/Futura Press/Estadão Conteúdo

    Haddad faz campanha com os governadores Rui Costa e Paulo Câmara

    Haddad faz campanha com os governadores Rui Costa e Paulo Câmara

As principais pesquisas de intenções de voto mostram que os três candidatos que devem receber a maior porcentagem de votos nas eleições para governos estaduais estão no Nordeste. Todos eles concorrem à reeleição e são defensores do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mesmo sendo a região a mais afetada pela crise econômica desde 2015.

Segundo levantamentos mais recentes do Ibope, em ao menos cinco estados do Nordeste os governadores devem ser reeleitos já no primeiro turno. Em três deles, os líderes superam o patamar de 60% das intenções de voto - cenário que não se verifica em outas regiões do país. Em termos percentuais, Camilo Santana (PT), que lidera a última pesquisa Ibope para o Ceará, é o candidato a governador com o maior índice de intenções de voto, com 69% dos votos totais. Para vencer no primeiro turno, o candidato deve atingir a maioria dos votos válidos, desconsiderando-se os brancos e nulos.

Em Alagoas, Renan Filho (MDB) lidera com 65% das intenções de voto, sem considerar brancos e nulos. Analisando apenas os votos válidos, Renan conta com 88% das intenções de votos. O petista Rui Costa, que disputa a reeleição na Bahia, também lidera as pesquisas com folga, soma 82% dos votos válidos e venceria as eleições já no próximo dia 7.

Os outros dois governadores que, segundo o Ibope, venceriam no primeiro turno são Flávio Dino (PCdoB), com 55% dos votos válidos no Maranhão, e Wellington Dias (PT), que, apesar de ter perdido 8 pontos percentuais em um mês, venceria no primeiro turno com 53% dos votos válidos, se a eleição fosse hoje. No Maranhão, brancos e nulos somam 7%; no Piauí, representam 8%.

Os cinco nomes que lideram as corridas para reeleição no Nordeste tentaram visitar Lula em Curitiba, em 10 de abril, mas a comitiva foi barrada pela Justiça.

Para a cientista política Luciana Santana, professora da Ufal (Universidade Federal de Alagoas), o bom desempenho dos governadores defensores de Lula não é uma coincidência e está diretamente relacionado à força do petista na região.

"Por ser um momento de incertezas politicas e de polarização, um dos fatores que podem influenciar é a memória retrospectiva do eleitor sobre o mandato ou nomes que conseguiram enfrentar melhor a crise. Esses cinco candidatos que podem ser reeleitos são de estados que se posicionaram contra a prisão de Lula. Parece coincidência, mas não é", afirma. "Independentemente de outras avaliações, foram nos governos de Lula que a região recebeu mais investimentos e atenção da gestão federal."

Apesar de ter sofrido com a crise econômica de forma intensa, as mudanças de vida do nordestino nesse século fizeram a região se desenvolver --o que é levado em conta agora pelo eleitor.

"A região esteve em uma situação muito pior, como anos 1980 e 90, em comparação com essa crise. O Nordeste era uma região extremamente prejudicada pelas mudanças econômicas, pelas instabilidades políticas. Houve o estabelecimento da economia com Fernando Henrique [Cardoso], mas investimento na região veio mesmo nos governos Lula", afirma.

Santana ainda acrescenta que há no país um alto índice de reeleição desde 1997, quando a possibilidade foi inserida no sistema político. "Os governadores têm alcançado uma taxa de sucesso alta, de 70% em média. Soma-se a isso que o resultado é influenciado por um conjunto de fatores que definem a competitividade do candidato, alternativas à disposição do eleitor ou as condições nas quais estão competindo", ressalta.

Reprodução Facebook
Renan Calheiros e o filho Renan Filho, governador de Alagoas, participam de campanha

Desistência de rivais ajudam campeões nas pesquisas

Além da força do lulismo, outro fator que contribuiu para o destaque de Renan Filho, Camilo Santana e Rui Costa nas pesquisas foram as desistências das candidaturas de alguns dos principais nomes da oposição na região.

Em Alagoas, no início do ano apostava-se na candidatura do prefeito de Maceió, Rui Palmeira (PSDB), como opositor, mas ele não renunciou e frustrou o plano da oposição. O senador Fernando Collor (PTC) lançou candidatura, mas acabou desistindo pouco menos de um mês do pleito alegando falta de apoio.

Em seu lugar assumiu o ex-chefe da Polícia Federal José Pinto de Luna (PROS), mas a candidatura não é vista com o mesmo ânimo pelos eleitores.

Na Bahia, Rui Costa enfrentou um cenário parecido. Com alta popularidade, ele teve a reeleição encaminhada quando o prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), desistiu de disputar o governo, e o seu partido indicou José Ronaldo, ex-prefeito de Feira de Santana. Ele, porém, não ultrapassa os dois dígitos na última pesquisa Ibope, divulgada no dia 18. Em um cenário em que Costa lidera com 60% das intenções de voto, Zé Ronaldo aparece na segunda colocação com 7%. 

A oposição foi duramente enfraquecida também no Ceará com a adesão do senador Eunício Oliveira (MDB) à chapa do candidato à reeleição Camilo Santana. Ao lado do ex-governador Cid Gomes (PDT), também candidato ao Senado pela chapa, o petista formou uma coligação de 16 partidos e deixou a oposição concentrada no PSDB de Tasso Jeressati, que lançou o General Theofhlilo, nome desconhecido do eleitor, que soma 7% das intenções totais de voto contra 69% do atual governador.

Divulgação/Ricardo Stuckert
Flávio Dino cumprimenta Lula em visita ao porto de Itaqui (MA) em 2017

O sexto estado do Nordeste com candidato disputando a reeleição é o Rio Grande do Norte, que enfrentou atraso em pagamentos de salários e greves. O governador Robinson Faria enfrenta dificuldades e ocupa o terceiro lugar, com 15% dos votos válidos. Lá, quem lidera é a senadora petista Fátima Bezerra, com 47% das intenções de voto válido. 

Três estados com disputa acirrada

Enquanto os aliados de Lula sobram em seis estados, outros três estados têm uma disputa mais apertada. Campeão de votos em 2014, o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), está em empate técnico com Armando Monteiro (PTB) na pesquisa Datafolha divulgada em 19 de setembro. No Ibope, Câmara aparece na frente por 33% a 25%. O atual governador tem o apoio do PT, depois que o partido desistiu de lançar Marília Arraes.

Na Paraíba, João Azêvedo (PSB), com 32%, e José Maranhão (MDB), com 28%, estão em empate técnico e ainda tem Lucélio Cartaxo (PV), com 19%, próximo na disputa. Em Sergipe, três candidatos estão em empate técnico: Valadares Filho (PSB), Belivaldo Chagas (PSD) e Eduardo Amorim (PSDB)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos