Senador Aécio Neves é alvo de operação da Polícia Federal

Do UOL, em São Paulo

  • Reprodução/BandNews TV

    Equipes da Polícia Federal foram ao apartamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) no Rio de Janeiro

    Equipes da Polícia Federal foram ao apartamento do senador Aécio Neves (PSDB-MG) no Rio de Janeiro

A PF (Polícia Federal) cumpre mandados de busca e apreensão na manhã desta quinta-feira (18) em endereços no Rio de Janeiro, em Belo Horizonte e em Brasília ligados ao senador Aécio Neves (PSDB-MG), presidente nacional do PSDB. 

Os policiais também se deslocaram para um endereço da irmã de Aécio, Andrea Neves, em Copacabana. Outros alvos da operação são: o senador Zezé Perrella (PMDB-MG), o deputado Rocha Loures (PMDB-PR), ligado ao presidente Michel Temer, e Altair Alves, conhecido por ser braço direito do deputado Eduardo Cunha. A ação policial ocorre no âmbito da Operação Lava Jato e foi autorizada pelo STF (Supremo Tribunal Federal). 

Segundo o jornal "Folha de S.Paulo", a pedido da Procuradoria-Geral da República, o Supremo decidiu afastar Aécio do cargo de senador e Loures do cargo de deputado.

Policiais federais também cumprem mandados no Congresso nos gabinetes de Aécio e Perrella. 

A informação é de que a operação estava programada e teria sido antecipada depois das revelações feitas na quarta-feira (17) pelo jornal "O Globo" de que o senador foi gravado pedindo R$ 2 milhões a Joesley Batista, dono da empresa JBS. O dinheiro acabou ficando com Perrella, segundo as investigações.

Ainda de acordo com o relato de Joesley, Temer (PMDB) Loures para resolver "um assunto" da J&F, a holding que controla a JBS. Depois, Loures foi filmado recebendo uma mala com R$ 500 mil mandados pelo empresário.

Acusados se defendem

Em nota publicada ontem, Aécio disse que estava "absolutamente tranquilo quanto à correção de todos os seus atos". "No que se refere à relação com o senhor Joesley Batista, ela era estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público".

Segundo o comunicado, o senador aguardava ter acesso ao conjunto das informações para prestar todos os esclarecimentos necessários.

Também após a denúncia, Perrella se manifestou dizendo que "não conhece Joesley Batista". "Nunca tive contato com ele, nem mesmo por telefone, ou com qualquer outra pessoa do Grupo JBS".

O secretário do senador e uma empresa do filho de Perrella teriam envolvimento com o dinheiro pago pela JBS a Aécio. "Reafirmo ainda que, os sigilos bancários das referidas empresas em nome do meu filho estão à disposição da justiça. Portanto, reafirmo que, nunca obtive qualquer importância desta empresa. Seja oficial ou extra-oficial. E me coloco a disposição para qualquer outro esclarecimento".

Irmãos Batistas estão nos EUA e não se pronunciam sobre denúncia

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos