Ex-ministro Geddel Vieira Lima é preso pela PF na Bahia

Felipe Amorim, Gustavo Maia e Luciana Amaral

Do UOL, em Brasília

  • Pedro Ladeira - 05.out.2016 -/Folhapress

    Michel Temer (e) e o então ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima

    Michel Temer (e) e o então ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima

O ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB) foi preso pela Polícia Federal nesta segunda-feira (3), na Bahia, Estado onde mora. Ele foi encaminhado para Brasília, aonde chegou no início da madrugada desta terça (4). A prisão foi determinada pela Justiça Federal do Distrito Federal, e está ligada às investigações da Operação Cui Bono?.

A operação investiga irregularidades na liberação de créditos da Caixa, banco estatal no qual Geddel ocupou a Vice-presidência de Pessoa Jurídica (2011-2013 - governo Dilma Rousseff). Geddel foi ministro da Secretaria de Governo de Temer. Ele também foi ministro da Integração Nacional (2007-2010) no governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

As investigações da Polícia Federal e do MPF (Ministério Público Federal) apontam que Geddel e o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) atuaram na liberação de ao menos R$ 1,2 bilhão em empréstimos para empresas, em troca de propina.

A prisão de Geddel ocorre no momento em que a PGR (Procuradoria-Geral da República) estuda a apresentação de uma segunda denúncia contra o presidente Michel Temer por supostamente ter dado aval à compra do silêncio de Cunha.

O pedido de prisão preventiva, apresentado pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal, acusa Geddel de atuar para atrapalhar investigações em andamento, ao tentar evitar que Cunha e o corretor Lúcio Funaro firmassem um acordo de delação premiada.

Além da prisão preventiva, a Justiça também autorizou a quebra dos sigilos fiscal, bancário e telemático de Geddel. Diferentemente da quebra do sigilo telefônico (que permite a interceptação das conversas), o levantamento do sigilo telemático permite o acesso ao registro das ligações efetuadas, mensagens e e-mails.

A investigação da Cui Bono? teve origem na análise de conversas registradas em um aparelho de telefone celular apreendido na casa do então deputado Eduardo Cunha. O teor das mensagens indica que Cunha e Geddel atuavam para garantir a liberação de recursos por vários setores da CEF a empresas que, após o recebimento, pagavam vantagens indevidas aos dois e a outros integrantes do esquema, entre eles Fábio Cleto. Cleto, que ocupou por indicação de Eduardo Cunha a vice-presidência de Fundos de Governo e Loterias, foi quem forneceu as primeiras informações aos investigadores. Em meados do ano passado, ele fechou acordo de colaboração premiada com a Procuradoria-Geral da República.

O pedido de prisão foi baseado em depoimentos recentes do corretor Lúcio Funaro e dos delatores Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F, e do diretor jurídico do J&F, Francisco de Assis e Silva.

A ordem de prisão partiu do juiz da 10ª Vara Federal de Brasília Vallisney de Souza Oliveira. A PF informou que o prazo para a transferência de Geddel para Brasília é entre hoje e amanhã (terça-feira).

O advogado de defesa do ex-ministro, Gamil Föppel, afirmou que o peemedebista foi "injustamente enredado no bojo da Operação Cui Bono" e que "deposita sua integridade física nas mãos da autoridade policial". A defesa do ex-ministro ainda reiterou "incompreensão" com a prisão preventiva, classificada como "absolutamente desnecessária".

"Sabedor da sua inocência e confiante na altivez do Poder Judiciário, o Senhor Geddel Vieira Lima segue inabalável na reparação do cerceamento às suas liberdades fundamentais, registrando que, estando custodiado, deposita sua integridade física nas mãos da autoridade policial", alega o advogado Gamil Föppel.

Geddel era homem-forte de Temer no governo

Geddel Vieira Lima era ministro da Secretaria de Governo do governo Michel Temer até o final do ano passado. Em 25 de novembro, ele pediu demissão de Salvador por meio de carta enviada por e-mail ao presidente.

Dentro do Planalto, Geddel era um dos auxiliares mais próximos de Temer, junto ao ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), e ao ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco.

Reprodução
Carta de demissão de Geddel Vieira Lima

Geddel foi acusado pelo ex-ministro da Cultura Marcelo Calero de ter pressionado a liberação de uma obra no centro histórico da capital baiana. Ele é dono de um apartamento que está sendo construído no local e cuja construção havia sido embargada pelo Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), que responde ao Ministério da Cultura. Por discordar da atitude de Geddel, Calero pediu demissão uma semana antes da saída do peemedebista.

O escolhido para substituir Geddel foi Antonio Imbassahy (PSDB).

Segundo assessores do governo, Geddel esteve no Planalto há cerca de um mês e meio. Na ocasião, ele visitou o presidente Temer, o ministro Padilha, cumprimentou ex-colegas e ainda passou na Câmara, onde conversou com deputados.

No dia 8 do mês passado, Geddel se manteve em silêncio durante depoimento à Polícia Federal, em Salvador, no âmbito do inquérito que investigou se o presidente Michel Temer cometeu os crimes de corrupção passiva, organização criminosa e obstrução de Justiça. Para justificar o comportamento, seu advogado, Gamil Föppel, alegou  "curtíssimo lapso temporal" a partir da intimação, feita dois dias antes da data da oitiva.

Até o início da tarde desta segunda-feira, o Planalto comemorava um certo arrefecimento na crise política com a volta do senador Aécio Neves (PSDB-MG) ao Senado e a libertação do deputado e ex-assessor de Temer Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR). Nas palavras de um auxiliar, estavam felizes pois, após semanas de novas acusações, não havia aparecido "nenhum fato novo" que agravasse ainda mais a situação do presidente.

A prisão vem na semana em que a denúncia contra Temer começa a tramitar na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Câmara.

Segundo o assessor, ainda é cedo para se falar em uma eventual delação premiada, mas a prisão de Geddel preocupa pela proximidade que ele sempre teve com Michel Temer, Eliseu Padilha e os integrantes do PMDB.

Outro fator que preocupa o Planalto é o fato de Geddel ser muito próximo de Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves, ambos também do PMDB e presos pela Lava Jato.

Geddel é o segundo ex-ministro do governo Temer a ser preso. Há menos de um mês, no dia 6 de junho, a Polícia Federal prendeu o ex-presidente da Câmara dos Deputados Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), que foi comandou o Ministério do Turismo por pouco mais de um mês.

Temer: primeiro presidente denunciado durante exercício de mandato

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos