Lula chama Moro de czar, afirma que Dilma errou e diz que pode 'consertar' o país

Do UOL, em São Paulo

Uma semana após ser condenado a nove anos e seis meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) diz que não vai permitir que difamem sua "história com uma mentira deslavada dessas". 

"Não vou, depois de 70 e poucos anos de vida, permitir que meia dúzia de jovens mal-intencionados venham tentar jogar a minha imagem na lama", disse em entrevista à rádio Capital, de São Paulo, na manhã desta terça-feira (18), na qual voltou a criticar as equipes da Operação Lava Jato na Polícia Federal e no Ministério Público Federal, além do juiz federal Sergio Moro.

Recorrendo da sentença que o condenou, Lula, 71, ainda é réu em outro processo que está sob avaliação de Moro na Justiça Federal no Paraná. Neste momento, são ouvidas as últimas testemunhas de defesa na ação que avalia benefícios que o ex-presidente teria recebido a partir de esquemas de corrupção entre a Petrobras e a empreiteira Odebrecht.

"O juiz Moro não pode continuar se comportando como um czar [termo usado por soberanos durante o Império Russo]. Ele faz o que quer, quando quer, sem respeitar o direito democrático, sem respeitar a Constituição. E não deixa a defesa falar", afirma o petista, que se diz indignado com a condenação.

"Quero provar que o Moro errou, que a equipe da Lava Jato errou. Mentiram demais", comentou. "A desgraça de quem conta a primeira mentira é que é obrigado a contar milhares para justificar a primeira. Cabe a mim insistir que eles erraram".

Por outro lado, tanto o MPF quanto o juiz dizem que sofrem constantes ataques do ex-presidente e de seus defensores. Para os procuradores, essa ação é uma estratégia da defesa. Na própria sentença, Moro refutou ser parcial no processo e afirmou que as acusações que sofre são "lamentáveis". Nesta segunda-feira (17), os procuradores da Lava Jato afirmaram a Moro que Lula merece pena mais alta e que vão apelar da sentença proferida por ele.

Julgamento político

Lula avalia que foi condenado em função do processo do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), sua sucessora no Planalto. "Eles deram um golpe [para a saída de Dilma]. Se eu voltar, o golpe não fecha", disse. "É por isso que eu vou brigar", citando que deseja disputar a Presidência em 2018.

Na última quinta-feira (13), em seu primeiro pronunciamento após a condenação, o petista confirmou que deseja disputar o Planalto. Ele foi presidente da República entre 2003 e 2010.

Caso o TRF (Tribunal Regional Federal) da 4ª Região, a segunda instância da Lava Jato, confirme a condenação de Lula, o político não poderá ser candidato. Especialistas acreditam que a decisão não deve sair em menos de um ano.

De acordo com a última pesquisa Datafolha, Lula lidera a disputa pela Presidência, seguido pelo deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) e pela ex-senadora Marina Silva (Rede).

Lula pede que eleição presidencial seja antecipada

Para o petista, seus "adversários e a Lava Jato" estão julgando o seu mandato de oito anos. "Quero defender aquilo que foi feito no Brasil. Temos condição de consertar o Brasil", falou Lula, defendendo a saída de Temer e antecipação da eleição presidencial a partir de uma emenda na Constituição. "Não dá nem para esperar 2018. A única solução para o Brasil seria convocar eleição direta".

A avaliação de Lula é de que o presidente Michel Temer (PMDB) "não tem autoridade moral para governar" nem condições de ficar no Planalto, citando a baixa aprovação do atual mandatário. "Esse país não pode ficar meses esperando uma eleição. A única coisa que pode acontecer aqui é antecipar eleições. Vamos transferir a responsabilidade para o povo outra vez. Não tem milagre".

Com discurso de pré-candidato do PT à Presidência, o político diz que tem condições de disputar a eleição porque já teria provado que sabe governar esse país, ressaltando que deixou o governo, em 2010, com 80% de aprovação.

Lula pede para que para as pessoas não percam a "paciência nesse país": "Temos que ter a esperança de que esse país pode voltar a gerar emprego, a ter esperança". Sua fala é a respeito de que, no Brasil, tenta-se vender que "o que é público não vale nada, e o que é privado vale tudo".

"Não é verdade. Não existiria corrupção se o setor privado não corrompesse. Só pode existir corrupto se existir corruptor", diz Lula, que foi condenado por corrupção passiva.

O ex-presidente acredita que haveria uma disposição em se "falar mal do poder público o tempo inteiro". "O Estado é extremamente necessário para 90% da sociedade", avaliou. "O Estado tem uma imagem negativa porque os políticos não cuidam disso. Se o político trabalhar corretamente, as pessoas voltam a acreditar no governo, que é possível fazer uma democracia forte e sólida".

Opinião: Lula, de líder sindical a condenado na Lava Jato

Erro

Em entrevista à rádio, o ex-presidente avaliou que o governo Dilma cometeu um erro ao fazer desonerações em setores da indústria, mas que sua sucessora "tentou fazer alguma reforma no tempo certo".

"A diferença é que ela tinha na presidência da Câmara um Eduardo Cunha [deputado federal cassado, do PMDB-RJ]", disse, em referência ao parlamentar que conduziu o processo de impeachment da petista e que trancava a pauta de Dilma no Congresso. "O que está provado agora é que o problema do Brasil não era a Dilma".

Lula também elogiou o governo de sua sucessora. "Seria importante voltarmos a dezembro de 2014, quando o Brasil teve o menor índice de desemprego de sua história. Dilma terminou o primeiro mandato dela numa situação invejável".

Mais Lava Jato

A ação penal conhecida como o "processo do tríplex", em que Lula foi condenado, chegou ao fim na primeira instância, mas Lula e Moro deverão se encontrar em uma nova oportunidade ainda este ano.

O ex-presidente é réu em um segundo processo na Justiça Federal no Paraná. Ele é acusado de participar de um esquema de corrupção envolvendo oito contratos entre a empreiteira Odebrecht e a Petrobras.

Lula pode se tornar réu ainda em um terceiro processo com Moro na Lava Jato. O MPF ofereceu, em 22 de maio, uma nova denúncia contra Lula, acusando-o, mais uma vez, de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Desta vez, os crimes envolvem um sítio em Atibaia (SP). Segundo os procuradores, o imóvel passou por reformas custeadas pelas empresas Odebrecht, OAS e Schahin em benefício do petista e de sua família. Em troca, os três grupos teriam sido favorecidos em contratos com a Petrobras.

Moro ainda não decidiu se acolhe ou não os novos argumentos da força-tarefa da Lava Jato.

Lula foi condenado por corrupção: o que acontece agora?

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos