Ex-presidente do BB e Petrobras é preso em nova fase da Lava Jato

Do UOL, em São Paulo

  • Luis Ushirobira/Valor

O ex-presidente da Petrobras e do Banco do Brasil Aldemir Bendine foi preso temporariamente pela PF (Polícia Federal) no início da manhã desta quinta-feira (27). A prisão faz parte da 42ª fase da Lava Jato, deflagrada hoje, da qual Bendine é o principal alvo. Chamada de Operação Cobra, a nova fase apura práticas de corrupção e lavagem de dinheiro.

Segundo a PF, já foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão e três mandados de prisão temporária no Distrito Federal e nos Estados de Pernambuco, Rio de Janeiro e São Paulo.

Para o advogado de Bendine, Pierpaolo Bottini, a prisão temporária é "desnecessária". "Desde o início das investigações, Bendine se colocou à disposição para esclarecer os fatos e juntou seus dados fiscais e bancários ao inquérito, demonstrando a regularidade de suas atividades. A cautelar é desnecessária. É arbitrário prender para depoimento alguém que manifestou sua disposição de colaborar com a Justiça desde o início", afirmou Bottini ao UOL.

As investigações da PF apontam que Bendine e pessoas ligadas a ele teriam solicitado vantagem indevida, em razão dos cargos exercidos, para que a Odebrecht não viesse a ser prejudicada em futuras contratações da Petrobras. Em troca, o grupo empresarial teria efetuado o pagamento de ao menos R$ 3 milhões, em espécie. Ainda de acordo com a PF, os pagamentos só foram interrompidos depois da prisão de Marcelo Odebrecht, em junho de 2015.

Bendine esteve à frente do Banco do Brasil entre abril de 2009 e fevereiro de 2015, quando deixou o banco para assumir a presidência da Petrobras. O executivo renunciou ao cargo de presidente-executivo da Petrobras em carta enviada ao Conselho de Administração em maio de 2016.

Segundo o MPF-PR (Ministério Público Federal), há evidências indicando que um pedido de propina no valor de R$ 17 milhões foi feito por Aldemir Bendine na época em que era presidente do Banco do Brasil para viabilizar a rolagem de dívida de um financiamento da Odebrecht AgroIndustrial. Marcelo Odebrecht e Fernando Reis, executivos da Odebrecht que celebraram acordo de colaboração premiada com o Ministério Público, teriam negado o pedido de propina porque entenderam que Bendine não tinha capacidade de influenciar o financiamento.

Além disso, há provas apontando que, na véspera de assumir a presidência da Petrobras, Bendine voltou a solicitar propina a executivos da Odebrecht para que a empresa não fosse prejudicada em contratos com a petroleira. Delatores indicam que, desta vez, a Odebrecht aceitou pagar a propina de R$ 3 milhões. O valor foi repassado em três entregas em espécie, no valor de R$ 1 milhão cada uma, em São Paulo. Esses pagamentos foram realizados em 2015.

Segundo o MPF, um operador financeiro "de fachada" foi usado para dar legalidade à operação. As delações decorrentes da Operação Lava Jato foram o ponto de partida das investigações da força-tarefa contra Bendine.

O nome da operação, "Cobra", faz referência ao codinome dado ao principal investigado nas tabelas de pagamentos de propinas do chamado setor de operações estruturadas da Odebrecht.

Os presos serão levados para a Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde devem permanecer à disposição do juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal do Paraná.

Procuradores rebatem críticas

Em nota, procuradores da força-tarefa da Lava Jato criticaram a "audácia" dos acusados, defenderam a prisão temporária e afirmam que pregar o fim da operação é pedir liberdade para "ladrões".

"É incrível topar com evidências de que, após a Lava Jato já estar em estágio avançado, os criminosos tiveram a audácia de prosseguir despojando a Petrobras e a sociedade brasileira. Os crimes recentes são a prova viva de que a prisão é necessária para frear o ímpeto criminoso de um esquema que vem desviando bilhões há mais de década", afirmou o procurador da República Athayde Ribeiro Costa.

"Há quem fale que as investigações contra a corrupção têm que acabar, mas casos como esse deixam claro que os criminosos não vão parar. Pregar o fim da Lava Jato é defender a liberdade para os ladrões do dinheiro público prosseguirem. Se queremos um Brasil com menos corrupção, é preciso ir até onde eles foram e estão dispostos a ir", disse a procuradora da República Jerusa Burmann Viecili.

Aldemir Bendine é preso na Lava Jato

Citações a Bendine

 Em janeiro, o jornal "Estado de S. Paulo" revelou que a PGR viu indícios de que Bendine tenha participado de suposto esquema ilícito de compra de debêntures (títulos da dívida) da OAS quando comandava o Banco do Brasil. A empreiteira é suspeita de pagar vantagens indevidas a políticos, entre eles o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em troca de destravar investimentos de fundos de pensão e bancos em papéis da construtora.

As citações a Bendine aparecem em trocas de mensagens entre o ex-executivo da OAS Léo Pinheiro com Cunha e outros dirigentes da empresa entre 2012 e 2014. Bendine teria negociado com a OAS, em outubro de 2014, a aquisição de debêntures de R$ 500 milhões.

Em fevereiro de 2015, Bendine foi escolhido pela presidente Dilma Rousseff para substituir Graça Foster na presidência da Petrobras.  Condenado por corrupção e lavagem dinheiro pelo juiz federal Sergio Moro em dois processos da Lava Jato, que tramitam na 13ª Vara Federal de Curitiba, Cerveró firmou acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal.

Após também firmar acordo de delação premiada, o senador Delcídio do Amaral pediu desligamento do PT e enfrenta o processo de cassação de seu mandato no Conselho de Ética do Senado.

*Com informações do Estadão Conteúdo

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos