PUBLICIDADE
Topo

Política

Se Moro for ministro, vai ser um gol de placa, diz Malafaia em visita a Bolsonaro

Visita de Bolsonaro à Assembleia de Deus Vitória em Cristo, na Penha - WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO
Visita de Bolsonaro à Assembleia de Deus Vitória em Cristo, na Penha Imagem: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

Gustavo Maia

Do UOL, no Rio

31/10/2018 17h45Atualizada em 31/10/2018 22h38

O pastor Silas Malafaia foi visitar o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), no fim da tarde desta quarta-feira (31) e disse achar que se o juiz federal Sergio Moro aceitar ser ministro do novo governo ou do STF (Supremo Tribunal Federal) "vai ser um gol de placa".

Nesta segunda (29), primeiro dia após a vitória nas urnas, Bolsonaro confirmou em uma série de entrevistas a emissoras de televisão que pretende convidar o responsável pelas ações da Operação Lava Jato no Paraná para assumir a pasta da Justiça ou indicá-lo para ocupar umas das vagas do STF assim que houver disponibilidade.

Com a projeção de aposentadoria dos atuais ministros, cadeiras devem ficar vagas em 2020 e 2022.

"Eu acho que vai ser um gol de placa se o Moro for ministro ou se for pro STF. É o cara, um símbolo da luta contra a corrupção, do anseio do brasileiro que quer ver justiça, quer ver as coisas certas. Eu acho que é um golaço", declarou o religioso.

O encontro ocorre no dia seguinte à visita de Bolsonaro à Assembleia de Deus Vitória em Cristo, na Penha, zona norte do Rio de Janeiro, presidida pelo pastor, na noite desta terça (30).

"Eu nem esperava que ele ia na igreja. Ele só falou para mim faltando uma hora, mais ou menos", contou Malafaia. O presidente eleito foi recebido com gritos de "mito" pelos fiéis que assistiam ao culto.

Malafaia disse acreditar que Bolsonaro, que é seu amigo, "vai colocar gente capaz em cada setor, sem aquela história de que tem que dar um cargo para um político, para poder ganhar".

"Pelo que ele falou ontem pra mim, ele está bem concentrado de não negociar nada de primeiro escalão, de cargos fundamentais, com troca-troca. Ele falou 'Malafaia, se eu fiz isso eu desmoralizo o meu discurso e o anseio do povo brasileiro'. Uma coisa que eu acho muito legal nele é que ele tem medo de decepcionar o povo", declarou.

O pastor afirmou ainda que o presidente vai errar, porque "ser humano", não é Deus. "Eu disse ontem na igreja: 'se alguém pensa que em três, quatro meses vai resolver, não vai resolver. Um pepino de 14 anos não vai ser em seis meses. Mas eu acredito que se ele escolher um timaço como ele quer, e com a força de vontade e a liderança ele vai chegar lá".

Questionado se assumirá algum ministério, Malafaia negou com veemência. "Nenhum. Eu não fui chamado para isso não. Eu sou pastor, só para influenciar. Se eu for para um troço desse, eu sou um desastre. Eu não tenho qualificação para esse negócio não", respondeu.

Depois de tomar um tomar um café e bater um papo com Bolsonaro, a quem celebrou o casamento com Michelle, em 2013, ele disse que ouviu do deputado federal que os nomes que aparecem como ministeriáveis na imprensa o fazem rir.

"Eu vou ficar rindo aqui, porque eu vou surpreender essa gente. Ninguém vai me pressionar, ninguém vai botar nome em jornal usando terceiros de influência para virar ministro", comentou o presidente eleito, segundo o pastor.

Ainda de acordo com Malafaia, Bolsonaro lhe disse que ainda não definiu todos os nomes que vão compor o primeiro escalão do seu governo. "Ele falou 'eu tô estudando bem, porque eu não posso errar. Não é fácil, não é uma brincadeira o que está acontecendo no país'", disse.

Moro deve se encontrar com Bolsonaro nesta quinta-feira (1º) para discutir o convite. A previsão é que ele viaje de Curitiba para a capital fluminense no início da manhã e retorne no meio da tarde.

Política