Topo

Renan reclama de votos abertos e retira candidatura à presidência do Senado

Renan retira candidatura à presidência do Senado

UOL Notícias

Nathan Lopes e Bruno Aragaki

Do UOL, em São Paulo

02/02/2019 17h45Atualizada em 03/02/2019 08h43

O senador Renan Calheiros (MDB-AL), 63, retirou na tarde deste sábado (2) a candidatura à presidência do Senado após alguns senadores terem declarado em quem estavam votando.

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, havia determinado que a votação deveria ser secreta, mas alguns senadores burlaram a decisão e anunciavam suas escolhas enquanto depositavam o envelope na urna - o que irritou Renan. 

Ele disse que "esse processo não é democrático" e foi vaiado.

"Então, para demonstrar que esse processo não é democrático, eu queria lhes dizer que o Davi não é Davi, o Davi é o Golias. Ele é o novo presidente do Senado porque eu retiro minha candidatura. E eu não vou me submeter a isso", disse, em tom inflamado.

Antes de Renan anunciar a decisão, o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) depositou seu voto e anunciou que havia desistido de exercer o direito do voto secreto. Ele anunciou que havia escolhido Davi Alcolumbre (DEM-AP), principal rival de Renan.

Renan reclamou do fato de se repetir "uma votação que foi anulada porque um senador colocar uma cédula dentro da outra cédula" - e a votação ser mantida mesmo com senadores declarando em quem estavam votando.

No início da apuração dos votos, os senadores se deram conta de que Renan Calheiros se absteve da votação.

Mais Política