Topo

Criminalização da homofobia trará "guerra santa", diz deputado "ex-gay"

Guilherme Mazieiro

Do UOL, em Brasília

2019-02-22T04:00:00

2019-02-22T11:01:06

22/02/2019 04h00Atualizada em 22/02/2019 11h01

Um dos novos rostos da Câmara dos Deputados, Pastor Sargento Isidório (Avante-BA) representa a ala conservadora nos costumes. Autodeclarado "ex-gay", o baiano entende que a criminalização da homofobia traria uma "guerra santa" ao país. O assunto está em discussão no STF (Supremo Tribunal Federal).

A Corte discute desde a semana passada o assunto, mas, até agora, apenas quatro ministros votaram. Não há data para que o julgamento seja retomado.

No STF, os ministros afirmaram que prever a punição da homofobia não ameaça a liberdade religiosa. Os padres e pastores poderiam continuar pregando sua doutrina religiosa, mesmo nos casos em que os textos sagrados pregam de forma contrária à orientação sexual LGBT.

"Eu sou ex-homossexual, então tenho convicção de que é possível viver respeitando uns aos outros. E por que que a gente vai aceitar que haja uma lei que vai estimular uma guerra? O que vai acontecer é uma guerra santa, tá entendendo?", disse ao UOL.

O deputado comparou a questão da criminalização à criminalidade de menores infratores. 

Guilherme Mazieiro/UOL
Pastor Sargento Isidório anda pela Câmara com um porta-Bíblia Imagem: Guilherme Mazieiro/UOL

"É como os menores. Por que os menores de idade cometem muito crime? Porque se acham protegidos pelo ECA [Estatuto da Criança e do Adolescente], que eles se acham acima da lei", disse.

O baiano é fiel seguidor da Bíblia - e carrega o livro por todas as dependências do Congresso. Na última semana, inclusive, portava uma debaixo do braço e outra em um suporte acima da cabeça. Ele justificou que o ato era um protesto contra o julgamento do STF, que "quer proibir a interpretação da Bíblia".

O pastor também considera que o assunto deveria ser discutido pela Câmara, não pautado pelo Supremo.

Com a mudança de opção sexual, há 24 anos, um dos primeiros projetos de lei protocolados por Isidório foi a criação do "Dia do Orgulho Hétero". Nesta quarta-feira (20), durante discurso na tribuna, reforçou que é "ex-gay" e falou sobre o projeto.

Veja os principais trechos da entrevista ao UOL.

UOL - Como o senhor analisa o julgamento sobre homofobia no STF?
Deputado Pastor Isidório -
Se aprovarem o que os gays querem, nós vamos declarar uma guerra entre hétero e homo. 
Lá eles estão tentando que o STF decida sobre o que o parlamento não deu atenção. Mas é um assunto que trata de família, como que vamos aceitar que aprove homofobia sem discutir o assunto e com as coisas espúrias que tem?

Uma decisão que vai estimular uma guerra?
Eu sou ex-homossexual, então tenho convicção de que é possível viver respeitando uns aos outros. E por que que a gente vai aceitar que haja uma lei que vai estimular uma guerra? O que vai acontecer é uma guerra santa, tá entendendo?

Como assim?
Nós temos o direito a pensar, a falar. O evangélico, o padre, o pastor, o espírita, o pessoal de matriz africana, que é de família tradicional, portanto família de homem mais mulher, macho e fêmea, eles não concordam com um bocado de coisa. Até porque a própria Bíblia, que é livro milenar, irrefutável, que não tem mentira nele, é quem prega no apocalipse contra o homossexualismo.

Como foi esse processo de se tornar 'ex-gay', o que o senhor quer dizer com isso?
Eu conheci a palavra de Deus. Eu me abri para ouvir a voz de Deus. Isso foi há uns 24 anos e percebi que ser gay era o caminho errado.

O senhor esteve reunido com outros pastores junto ao presidente do Supremo [ministro Dias Toffoli] antes do julgamento. O que disseram a ele?
Falamos do que prega a Bíblia. Inclusive eu pude ler a Bíblia para ele, o salmo 133. Sabemos que não pode ter raiva, nenhum cidadão é para ser violentado. Mas expressamos nossas considerações.
E teve até uma situação engraçada, quando o ministro me chamou no gabinete dele para mostrar, que por coincidência a Bíblia dele estava aberta no Salmo 133, reparei que ele é bonito pessoalmente, mas não tive recaída, não [risos].

Fellipe Sampaio 12.fev.2019 /SCO/STF
Deputado Pastor Isidório (segurando a Bíblia, à direita) durante encontro da bancada evangélica com o ministro Dias Toffoli Imagem: Fellipe Sampaio 12.fev.2019 /SCO/STF

O senhor protocolou um projeto para celebrar o "Dia do Orgulho Hétero", por quê? É necessário?
É muito necessário. Se não a gente não vai ser mais representado. Todo mundo tem seu dia, a gente também merece ter. E a Constituição estabelece que todos são iguais, então o crime contra um não pode ser diferenciado do crime contra o outro, e o Dia do Orgulho Hétero também lembra disso.

Mais Política