Topo

Mulher pergunta a manifestante sobre Queiroz e sai da Paulista sob escolta

Mirthyani Bezerra

Do UOL, em São Paulo

2019-05-26T17:58:40

26/05/2019 17h58

Uma mulher precisou ser escoltada pela Polícia Militar da avenida Paulista até a alameda Santos, em São Paulo, após ser perseguida por um grupo de bolsonaristas. A região da avenida foi palco de manifestação a favor do governo de Jair Bolsonaro (PSL) hoje.

Ao UOL, Dinah Caixeta contou que saia do prédio onde trabalha e viu um homem segurando uma placa a favor do ministro Sergio Moro e o confrontou sobre o caso do ex-assessor Fabrício Queiroz, que trabalhava para o senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ). "Eu estava lá na frente e fui falar para um cara que estava com a placa de Sergio Moro, para falar para o Sergio Moro para ele fazer uma campanha para ajudar o Queiroz, ai ele se inflamou e foi chegando gente", contou.

Na semana passada, foi divulgado que o ex-assessor Fabrício Queiroz pagou em dinheiro R$ 64,6 mil pela cirurgia que fez em janeiro deste ano para retirada de um câncer no intestino no hospital Albert Einstein, em São Paulo. Ele é investigado como operador de um suposto esquema de "rachadinha" dentro do antigo gabinete do senador Flávio Bolsonaro na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro).

Uma multidão se juntou ao redor de Dinah antes do parque Mário Covas e ela precisou ser escoltada por ao menos cinco policiais até um táxi na alameda Santos. Homens e mulheres gritavam, tentavam passar a barreira feita pelos PMs, chamando-a de "vagabunda", "comunista" e gritando "vai pra Cuba".

O UOL perguntou qual a idade e profissão de Dinah, mas a PM impediu a continuidade da entrevista para evitar mais tumultos. Às 20h43, uma mulher que se identifica como filha de Dinah disse à reportagem que a mãe tem 54 anos, é costureira e modelista, e que trabalha vendendo as roupas que produz na avenida Paulista aos domingos.

Vestida com uma camisa azul com a placa da vereadora assassinada Marielle Franco, Dinah disse que não sentiu medo, mas pensou que seria agredida quando "o negócio perdeu o controle". "Só uma hora que eu vi que o negócio perdeu o controle, uma manada gritando pelo Bolsonaro. Para acreditar em mamadeira de piroca, eles tem problema mesmo", disse.

Outras mulheres se aproximaram de Dinah na tentativa de protegê-la do grupo antes da chegada da PM e a acompanharam até o táxi. A professora aposentada Leila Gomes foi uma delas. Ela contou que saia do cinema quando percebeu o tumulto e correu para ajudar Dinah.

Eu vim ao cinema, sabia que ia ter um protesto, mas é meu programa de todo domingo. Eu cheguei na hora que eu vi uma multidão cercando ela. Eu me aproximei para tentar proteger", contou ao UOL. Ela disse ser contra a manifestação. "Sou contra reforma da Previdência, a grande ameaça que eles estão fazendo ao parlamento, Isso é golpe de estado, é muito perigoso para o Brasil", disse.

Casal de vermelho causa confusão em ato pró-Bolsonaro na Paulista

UOL Notícias

Mais Governo Bolsonaro