PUBLICIDADE
Topo

Maia, sobre vídeo de Bolsonaro: Criar tensão institucional não ajuda o país

Do UOL, em São Paulo

26/02/2020 12h45

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou hoje o vídeo compartilhado na véspera pelo presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido) para apoiar manifestações pró-governo e contra o Congresso Nacional, convocadas para o dia 15 de março.

Em sua conta no Twitter, Maia não citou nominalmente Bolsonaro. No entanto, criticou o que chamou de "tensão institucional" e pediu "paz e responsabilidade" ao Brasil.

"Criar tensão institucional não ajuda o país a evoluir. Somos nós, autoridades, que temos de dar o exemplo de respeito às instituições e à ordem constitucional. O Brasil precisa de paz e responsabilidade para progredir", publicou Maia.

"Só a democracia é capaz de absorver sem violência as diferenças da sociedade e unir a Nação pelo diálogo. Acima de tudo e de todos está o respeito às instituições democráticas", completou.

Antes de Maia, o apoio de Bolsonaro ao ato contra o Congresso foi criticado por nomes como Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Gilmar Mendes, entre outros.

Fernando Henrique se manifestou em tom bem acima do de Rodrigo Maia. "Estamos com uma crise institucional de consequências gravíssimas. Calar seria concordar. Melhor gritar enquanto de tem voz, mesmo no Carnaval, com poucos ouvindo", disse.

O líder da Oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ) declarou ter pedido a Rodrigo Maia que organize uma reunião dos líderes com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), e o o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Dias Toffoli, para discutir formas de reação à convocação de Bolsonaro.

Rodrigo Maia, no entanto, ainda não se pronunciou sobre esse encontro, nem se o Congresso tomará alguma atitude efetiva.

Ouça o podcast Baixo Clero (https://noticias.uol.com.br/podcast/baixo-clero/), com análises políticas de blogueiros do UOL.

Os podcasts do UOL estão disponíveis em uol.com.br/podcasts, no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Política