PUBLICIDADE
Topo

Política

Esse conteúdo é antigo

Novo ministro enfatiza combate à corrupção e promete mais atuação da PF

Felipe Amorim

Do UOL, em Brasília

29/04/2020 15h43Atualizada em 29/04/2020 18h09

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), empossou hoje o novo titular do Ministério da Justiça e da Segurança Pública, André Mendonça, que chegou a prestar continência ao chefe do Executivo. Em cerimônia no Palácio do Planalto, José Levi Mello do Amaral Júnior também foi empossado como novo Advogado-Geral da União.

Autoridades do Judiciário prestigiaram a posse. O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Dias Toffoli, e o ministro Gilmar Mendes, também do Supremo, participaram da cerimônia, assim como o presidente do STJ (Superior Tribunal de Justiça), João Otávio de Noronha. O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), também esteve presente.

Ao tomar posse, Mendonça fez um discurso emocionado e prometeu foco no combate à corrupção, além do fortalecimento da atuação da Polícia Federal.

"Há mais de uma década tenho dedicado meus esforços, na teoria e na prática, ao combate a corrupção", disse Mendonça.

"Vamos fazer operações conjuntas, cobrem de nós mais operações na Policia Federal", afirmou o ministro.

Brincadeiras, emoção e religião

Inicialmente descontraído, Mendonça chegou a fazer uma piada com o presidente Bolsonaro e com a primeira-dama, Michelle — segundo ele, a responsável por "chefiar" o presidente. Ao fim do pronunciamento, no entanto, o ministro demonstrou emoção em suas palavras, com a voz embargada.

O novo ministro ainda fez várias menções e agradecimentos a Deus. Mendonça já foi chamado de "ministro extremamente evangélico" por Bolsonaro quando era o AGU e foi apontado como um dos possíveis indicados do presidente a uma vaga no STF justamente por causa da religião.

Mendonça também elogiou a atuação dos policiais nas atividades de segurança pública — "Temos que reconhecer o valor dos agentes de segurança, disse" — e prometeu uma gestão "técnica, imparcial e sempre disposta a prestar contas, não só ao chefe da nação, mas a todo o povo", afirmou o ministro.

Aos 47 anos, Mendonça assume o posto que foi ocupado entre janeiro de 2019 e abril de 2020 por Sergio Moro. O ex-ministro pediu demissão alegando interferência de Bolsonaro no comando da Polícia Federal. Moro não foi mencionado no discurso de posse do novo ministro.

Advogado da União desde 2000, Mendonça foi o titular da Advocacia-Geral da União entre 2019 e 2020. Antes, foi assessor especial de Wagner Rosário, ministro da Controladoria-Geral da União, entre 2016 e 2018.

Elogios a ministro cotado para a vaga

O novo ministro elogiou o Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, que chegou a ser cotado para ocupar a pasta da Justiça.

Oliveira for fortemente aplaudido durante a cerimônia, com os participantes ao evento se levantando para prestigiá-lo.

"Se tem alguém ministrado a Justiça nessa Esplanada é o senhor. Tenho aprendido diariamente. É uma honra servir ao lado do senhor e do presidente da República", disse Mendonça.

Indicação de novo delegado da PF foi barrada

Também hoje, Alexandre Ramagem deveria assumir o cargo de diretor-geral da Polícia Federal. No entanto, o ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, suspendeu a posse, alegando desvio de finalidade.

A decisão, em caráter liminar, foi tomada a pedido do PDT. Em nota, a AGU anunciou hoje que "não irá apresentar recurso em face da decisão do STF que suspendeu a nomeação de Alexandre Ramagem para a direção-geral da Polícia Federal em razão de decreto publicado na tarde desta quarta-feira (29) no DOU que revoga o ato".

Política