PUBLICIDADE
Topo

Governo Bolsonaro

Bolsonaro fica sem máscara em 1º evento público após se recuperar da covid

Do UOL, em São Paulo

30/07/2020 13h05Atualizada em 30/07/2020 16h44

Em sua primeira viagem após se recuperar da covid-19, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tirou a máscara de proteção e se juntou a uma aglomeração de apoiadores. Ele viajou hoje à Bahia para acompanhar uma inauguração em Campo Alegre de Lourdes.

O avião presidencial pousou no aeroporto de São Raimundo Nonato, cidade do Piauí, de onde Bolsonaro seguiu para a Bahia. No entanto, após descer do avião, o presidente montou em um cavalo e se aproximou de um grupo de apoiadores. Neste momento, tirou a máscara de proteção.

No início da tarde, a Secom (Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência) confirmou que a primeira-dama Michelle Bolsonaro testou positivo para a covid-19. O teste realizado por ela apresentou resultado positivo menos de uma semana depois de Bolsonaro anunciar que estava curado da doença.

As ministras Damares Alves (Mulher Família e Direitos Humanos) e Tereza Cristina (Agricultura) vão realizar exames já que ontem participaram de um evento ao lado de Michelle, em Brasília.

Bolsonaro adota tom conciliador: 'Ninguém governa sozinho'

Ao chegar à Bahia para inaugurar um sistema de abastecimento de água em Campo Alegre de Lourdes, Bolsonaro ressaltou a importância da união do governo federal com os parlamentares em Brasília.

"Quero me referir em especial à bancada (de deputados federais) da Bahia. Ninguém governa sozinho", afirmou Bolsonaro, em tom que contrasta com sua atitude no início da pandemia do coronavírus, quando chegou a marcar presença em manifestações que pediam o fechamento do Congresso.

"Aqui já ouvi de parlamentares e prefeitos problemas da região, esses problemas quem vai vencer não vai ser o Jair Bolsonaro sozinho, vai ser ele e o parlamento brasileiro. Temos como realmente mudar o destino do Brasil", acrescentou o presidente.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado no 4º parágrafo desta matéria, o nome da ministra é Damares Alves, e não Damares Silva. A informação já foi corrigida.

Governo Bolsonaro