PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
6 meses

CPI da Covid: depoimento de Élcio Franco deve ser adiado, diz Randolfe

O ex-secretário executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco - Divulgação/Palácio do Planalto
O ex-secretário executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco Imagem: Divulgação/Palácio do Planalto

Do UOL, em São Paulo

23/05/2021 19h11

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), vice-presidente da CPI da Covid, afirmou, em entrevista à rede de TV CNN, que o depoimento do ex-secretário executivo do Ministério da Saúde, Élcio Franco, deve ser adiado. A programação inicial era de que Franco fosse ouvido pela CPI na quinta-feira (27), mas o ex-secretário encaminhou um comunicado aos parlamentares informando que ainda se recupera depois de ter contraído covid-19.

Em decorrência dessa circunstância, a nossa intenção é antecipar o depoimento do Instituto Butantã e deixar para depois [o depoimento de Franco], após confirmada a recuperação.
Senador Randolfe Rodrigues

Quem falará pelo Butantã é o presidente do Instituto, Dimas Covas.

Número dois da Saúde

Franco, que é coronel, foi exonerado do Ministério da Saúde no final de março, quando o ministro Marcelo Queiroga assumiu a pasta. Ele foi o número dois do ministério a partir de julho de 2020, quando o general Eduardo Pazuello passou a comandar o órgão.

Franco esteve à frente de algumas das principais ações do ministério no combate à pandemia, incluindo as negociações para a compra de vacinas. Ele aparecia com frequência nas coletivas de imprensa organizadas pelo ministério para tratar da covid-19.

Pazuello deve ser reconvocado

O ex-ministro Eduardo Pazuello prestou depoimento à CPI na semana passada, mas deve ser reconvocado, segundo informou o presidente da Comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM). O assunto será votado pelos parlamentares na quarta-feira (26).

Hoje, Pazuello participou de uma manifestação a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Rio de Janeiro. Tanto o presidente quanto o ex-ministro apareceram sem máscara.

À CNN, o senador Randolfe Rodrigues afirmou que o ex-ministro precisará dar explicações sobre a participação no ato, e que é um "candidato a indiciamento".

Política