PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
4 meses

450 mil mortes é pouco para planos de Bolsonaro, diz jornalista no NYT

Artigo do The New York Times diz que Bolsonaro planejou a morte de 1,4 milhão - Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo
Artigo do The New York Times diz que Bolsonaro planejou a morte de 1,4 milhão Imagem: Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo

Colaboração para o UOL

28/05/2021 13h27Atualizada em 29/05/2021 06h52

Um artigo publicado ontem pelo jornal americano The New York Times acusa o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) de pretender matar 1,4 milhão de brasileiros com a estratégia de "imunidade de rebanho". "De sua perspectiva, os 450.000 brasileiros já mortos pela covid-19 devem parecer um trabalho nem mesmo feito pela metade", diz a jornalista brasileira Vanessa Barbara na publicação.

"Bolsonaro aparentemente pretendia levar o país à imunidade coletiva por infecção natural, quaisquer que fossem as consequências. Isso significa - assumindo uma taxa de mortalidade de cerca de 1% e considerando 70% de infecção como um limite provisório para imunidade de rebanho - que ele planejou pelo menos 1,4 milhão de mortes no Brasil", explica Vanessa.

Ela relembra as atitudes de Bolsonaro contra os protocolos de proteção à covid-19. "O presidente parecia fazer de tudo para facilitar a disseminação do vírus. Ele passou o último ano falando e agindo contra todas as medidas cientificamente comprovadas para conter a propagação do vírus", diz a jornalista, que lembra que Bolsonaro considerava o distanciamento social algo para "idiotas", que as máscaras eram "ficção" e que as vacinas poderiam o transformar em jacaré.

Além disso, também é citado o tratamento precoce promovido por Bolsonaro, apesar de todas as evidências científicas mostrando a ineficácia dele e com o conselho expresso de dois ex-ministros da Saúde (Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich) contra o tratamento.

CPI da Covid

O artigo não deixou de citar a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid que está acontecendo no Brasil, descrita como "uma grande distração da realidade sombria. Transmitido online e transmitido pela TV Senado, o inquérito é uma exibição estranhamente fascinante de evasão, inépcia e mentiras descaradas".

Durante a investigação, foram questionadas, entre outros assuntos, a recusa das vacinas da Pfizer. "A empresa farmacêutica se ofereceu repetidamente para vender sua vacina covid-19 ao governo brasileiro entre agosto e novembro do ano passado, mas não obteve resposta", diz o artigo.

A jornalista ainda cita a campanha "O Brasil Não Pode Parar", veiculada em março do ano passado. "Incentivando que as pessoas não mudassem suas rotinas, a campanha afirmou que 'as mortes por coronavírus entre adultos e jovens são raras'. A campanha fortemente criticada acabou sendo proibida por um juiz federal e em grande parte esquecida".

Coronavírus