PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
2 meses

'Superado mais um obstáculo', diz Carlos Bolsonaro após alta do pai

Jair Bolsonaro deixa Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde estava internado desde quarta-feira (14) - Aloisio Maurício/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Jair Bolsonaro deixa Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde estava internado desde quarta-feira (14) Imagem: Aloisio Maurício/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

18/07/2021 11h58Atualizada em 18/07/2021 14h36

O vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (Republicanos), segundo filho do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), comemorou a alta médica do pai na manhã de hoje e disse que esse foi mais um obstáculo superado.

Carlos também agradeceu aos apoiadores do presidente pela consideração nos últimos dias e afirmou que o pai está de volta depois de mais "um duro momento" em "consequência da obsessão da esquerda pelo poder".

"Superado mais um dolorido obstáculo que pode ocorrer novamente a qualquer momento se não for seguida uma rotina rígida e regrada, já que tudo mudou para sempre após a tentativa de assassinato pelo ex-filiado ao PSOL [Adélio Bispo, em 2018]", escreveu Carlos no Twitter junto a uma foto em que observa o pai caminhando no corredor do hospital.

O presidente estava internado no Hospital Vila Nova Star, na zona sul de São Paulo, desde a última quarta-feira (14), para tratar uma obstrução intestinal. Durante sua internação e ao sair do hospital, Jair Bolsonaro creditou à facada que recebeu durante a campanha eleitoral de 2018 e a obstrução intestinal que o levou a ser hospitalizado.

"O importante é sempre aprender, pois amanhã pode ser tarde. Agradecemos a todos a consideração nestes dias passados. De volta novamente depois de mais um duro momento consequência da obsessão da esquerda pelo poder", tuitou Carlos.

Bolsonaro e filhos comemoram alta

O próprio presidente Bolsonaro também usou as redes sociais para agradecer a todos que enviaram energias positivas e orações a ele.

"De volta para Brasília. Obrigado pelas orações e votos de plena recuperação", escreveu Bolsonaro ao publicar um vídeo de duas crianças cantando uma música gospel e desejando melhoras a ele.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) compartilhou o mesmo vídeo e agradeceu pelas mensagens de recuperação do pai recebidas nos últimos dias.

"Presidente recebe alta e posta homenagem de pequenos catarinenses. Obrigado a todos pelas orações e mensagens de pronta recuperação de meu pai", disse Eduardo.

O senador Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ) também agradeceu o apoio recebido e disse que o "capitão está de volta".

"Seja muito bem-vindo de volta ao combate, capitão. Ainda há muito trabalho a ser feito. Agradeço a todos pelas orações pela pronta recuperação do presidente", escreveu.

Renan culpa Bolsonaro por mortes na pandemia

O relator da CPI da Covid, senador Renan Calheiros (MDB-AL), que é crítico ao governo, afirmou que se Bolsonaro tivesse seguido as recomendações da ciência e da medicina no enfrentamento à pandemia, como seguiu durante sua internação, o país poderia ter evitado a perda de milhares de vidas.

"O paciente Bolsonaro não tentou tratamentos alternativos, não pregou negacionismo. Priorizou a ciência e a medicina. Se o paciente tivesse presidido o Brasil na pandemia, centenas de milhares de vidas teriam sido salvas", afirmou Renan no Twitter.

Políticos comentam alta de Bolsonaro

Outros políticos também comentaram sobre a alta hospitalar de Bolsonaro. Veja abaixo algumas publicações nas redes sociais.

Carla Zambelli (PSL-SP), deputada Federal

Bia Kicis (PSL-DF), deputada Federal

André Torres, ministro da Justiça e Segurança Pública

Ivan Valente (PSOL-SP), deputado Federal

Orlando Silva (PCdoB-SP), deputado Federal

Jean Wyllys (PT), ex-deputado federal

O governo Bolsonaro teve início em 1º de janeiro de 2019, com a posse do presidente Jair Bolsonaro (então no PSL) e de seu vice-presidente, o general Hamilton Mourão (PRTB). Ao longo de seu mandato, Bolsonaro saiu do PSL e ficou sem partido. Os ministérios contam com alta participação de militares. Bolsonaro coloca seu alinhamento político à direita e entre os conservadores nos costumes.