PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
2 meses

Bolsonaro tem alta do hospital em SP e segue para Brasília hoje

Do UOl, em São Paulo

18/07/2021 08h36Atualizada em 18/07/2021 12h53

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) teve alta hoje do Hospital Vila Nova Star, na zona sul de São Paulo, onde estava internado desde quarta-feira (14) para tratar uma obstrução intestinal.

Em nota, a equipe médica afirma que ele seguirá com acompanhamento ambulatorial pela equipe médica assistente. O presidente embarcou para Brasília no avião presidencial a partir do aeroporto de Congonhas, na capital paulista. Ele chegou a Congonhas por volta das 10h35 e o avião decolou às 10h55. A viagem entre São Paulo e Brasília costuma durar cerca de 1h40.

A possibilidade de alta hospitalar hoje havia sido adiantada ontem pelo cirurgião Antonio Luiz Macedo, que acompanha o presidente e foi o responsável por suas cirurgias no abdômen após a facada recebida durante a campanha eleitoral de 2018.

"O sistema digestivo já está funcionando", disse o médico ontem. Macedo afirmou ainda que o presidente poderá retomar as atividades "com calma" a partir de amanhã.

Boletim divulgado ontem por volta das 13h, informava que Bolsonaro começaria uma dieta cremosa. Os médicos, no entanto, evitaram falar em alta, explicando que dependeria da evolução no tratamento e seria avaliada nos "próximos dias".

"O senhor presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, continua evoluindo satisfatoriamente, apresentando melhora clínica e laboratorial. Durante o dia de hoje [ontem], será oferecida dieta cremosa não fermentativa e, se continuar havendo boa aceitação, a equipe médica assistente decidirá pela alta nos próximos dias", dizia o boletim.

Bolsonaro foi internado após se queixar de soluços

Bolsonaro foi internado na madrugada de quarta-feira, após sentir fortes dores na região abdominal. Inicialmente, ele foi levado ao HFA (Hospital das Forças Armadas), em Brasília, mas, no mesmo dia, foi transferido para São Paulo a pedido de seu cirurgião.

Dias antes de ser internado, o presidente havia apresentado crises de soluços em eventos públicos e se queixado do problema a seus apoiadores no Palácio do Alvorado em sua tradicional live às quintas-feiras no Facebook.

De acordo com o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, foi retirado cerca de um litro de líquido que estava acumulado no estômago do pai e provocando as dores.

O presidente relacionou em duas ocasiões a sua internação ao episódio da facada em 2018. Ontem, durante participação em uma live para inauguração de uma agência da Caixa em Missão Velha (CE), Bolsonaro disse que seu problema foi "em função ainda da facada". Na quarta-feira, ele afirmou que esse era "mais um desafio" após a "tentativa de assassinato" que sofreu.

Presidente fez participação virtual em motociata

Por causa da internação, Bolsonaro teve de cancelar viagem que faria a Manaus e sua presença em uma motociata organizada por apoiadores ontem. Apesar de não poder ir ao evento, o presidente fez uma participação virtual por meio de videochamada.

Na parte audível do vídeo da ligação, Bolsonaro afirmou que vai remarcar a agenda em Manaus e prometeu que nos próximos meses terá "grande jornada" no Amazonas.

"Queria estar no meio de vocês. Essa presença de vocês, mesmo com a minha ausência, reflete que todos nós estamos na mesma luta pelos nossos direitos, garantia da nossa liberdade e unidade do nosso país", declarou o presidente.

Bolsonaro mostrou recuperação nas redes sociais

Durante sua internação, o presidente publicou fotos e vídeos em suas redes mostrando sua recuperação. Na sexta-feira (16) e ontem, Bolsonaro postou imagens dele caminhando no corredor do hospital.

Na quinta-feira (15), o presidente publicou uma foto ao lado de uma paciente no hospital. Ambos estavam sem máscara na ocasião.

Em participação na live de inauguração da agência da Caixa ontem, Bolsonaro afirmou que estava bem e com vontade de voltar ao trabalho.

"Estou louco para voltar a trabalhar, rever os amigos, voltar para o seio da família e, realmente, botar o Brasil para trabalhar", afirmou o presidente na transmissão.

O governo Bolsonaro teve início em 1º de janeiro de 2019, com a posse do presidente Jair Bolsonaro (então no PSL) e de seu vice-presidente, o general Hamilton Mourão (PRTB). Ao longo de seu mandato, Bolsonaro saiu do PSL e ficou sem partido. Os ministérios contam com alta participação de militares. Bolsonaro coloca seu alinhamento político à direita e entre os conservadores nos costumes.