PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
3 meses

Doria: 'Milícias bolsonaristas estão agindo com força redobrada para atos"

Governador João Doria participa do programa "Roda Viva" - Reprodução/TV Cultura
Governador João Doria participa do programa "Roda Viva" Imagem: Reprodução/TV Cultura

Do UOL, em São Paulo

23/08/2021 22h31

Ao comentar o afastamento do coronel da Polícia Militar Aleksander Lacerda, após fazer uma convocação para o ato bolsonarista do dia 7 de Setembro, o governador de São Paulo, João Doria Jr. (PSDB), disse hoje que "milícias bolsonaristas" estão agindo com "força redobrada" na organização das manifestações. A declaração ocorreu durante participação no programa "Roda Viva", da TV Cultura.

Já houve precedentes em outros estados de manifestações dentro das policiais militares. É preciso ter cuidado: as milícias bolsonaristas estão agindo com força redobrada com vistas a manifestações em 7 de setembro. Alertei os governadores. Temos a inteligência da polícia civil, que opera junto com a PM, que observou movimentos mais intensos dessa rede bolsonarista estimulando medidas mais duras, inclusive estimulando agressões no dia 7 de setembro, e manifestação daqueles que são pró-Bolsonaro. Fiz um alerta para que todos pudessem estar atentos a isso. É meu dever João Doria fala sobre articulação de bolsonaristas para atos do dia 7 de setembro

Durante o programa, Doria também atacou diretamente o presidente Bolsonaro, lhe chamando de "psicopata", "autoritário" e "homem doente".

"Bolsonaro não gosta de diálogo, não gosta de democracia, gosta do autoritarismo, é apaixonado pela ditadura, ele defende a ditadura, defende os servidores, torturadores, celebra 31 de março como data nacional de tremenda importância. Eu me entristeço a cada 31 de março, a data em que a ditadura militar foi implantada no Brasil, estou do outro lado. Ele celebra a ditadura, eu celebro a liberdade. Não haverá esse encontro", afirmou o tucano.

E ao meu ver, é um psicopata, é um homem doente, se for submeter Bolsonaro a uma análise psiquiátrica vão concluir claramente que ele é um doente.

Apesar de hoje estarem afastados e se atacarem constantemente, Doria e Bolsonaro já tiveram uma relação mais próxima. Na eleição de 2018, o tucano investiu na dobradinha BolsoDoria para poder se capitalizar politicamente na disputa pelo governo de São Paulo e se colocar como antipetista, já que Bolsonaro enfrentava Fernando Haddad (PT) no cenário nacional.

Após as eleições, Doria e Bolsonaro romperam os laços políticos e, ao longo de dois anos, têm trocado farpas publicamente.

Política