PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
3 meses

Dino diz que reunião de governadores busca frear 'confusão' de Bolsonaro

Colaboração para o UOL

26/08/2021 18h53

Em entrevista ao UOL News, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PSB), disse que a reunião dos chefes dos Executivos estaduais marcada para o dia 2 de setembro tem como objetivo isolar a "busca por confusão" do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Os governadores solicitaram a audiência com Bolsonaro, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), e do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux, na segunda-feira (23).

No encontro, eles querem abordar como pacificar as relações entre as instituições. Pacheco e Lira foram os únicos que confirmaram presença até o momento.

Dino admitiu que o presidente da República não deve comparecer à audiência. "Ele não quer diálogo, quer confrontação", disse o governador. "[Essa] atitude ponderada é um contraste em relação aos desatinos bolsonaristas."

Para ele, Lira e Pacheco ainda podem se tornar aliados dos governadores, inclusive com a depreciação do capital político de Bolsonaro.

"Há nessa política chamada de Centro muitas oscilações. Mais adiante, quem sabe, numa situação limite, eles joguem um papel melhor do que o atual, essa é a nossa esperança", afirmou.

"[A reunião é] exatamente para isolar aquilo que o Bolsonaro tem de principal: a busca da confusão. Ele é da confusão, nós queremos que o país funcione, que haja eleições, que a constituição seja observada", completou Flávio Dino.

Atos de 7 de setembro

O governador Flávio Dino também falou sobre as manifestações pró-governo marcadas para o 7 de setembro e um possível participação de policiais militares da ativa nos atos.

Ele classificou acertada a atitude de João Doria (PSDB), que, no início da semana, afastou um coronel da Polícia Militar de São Paulo por publicar, nas redes sociais, convocações aos protestos de 7 de setembro. Posicionamentos de cunho político-partidário são proibidos pela corporação.

"Não acredito que haja agora esse amotinamento no 7 de setembro, mas, se houver, as pessoas que eventualmente participarem disso colocarão sua carreira em risco", avaliou o político maranhense.

Dino destacou que Bolsonaro comete crime de responsabilidade ao fomentar rebeliões ou motins entre os estados.

"Na hora que um policial estiver respondendo a processo administrativo, disciplinar ou judicial, o presidente da República nada poderá fazer para salvá-lo. Então, espero que haja muito bom senso, prudência e lealdade às leis por parte de todas as forças policiais", apelou,

Política