PUBLICIDADE
Topo

Política

PSDB retomará votação das prévias à presidência amanhã com novo sistema

Os pré-candidatos à presidência pelo PSDB Eduardo Leite (RS), Arthur Virgílio (AM) e João Doria (SP) na convenção do partido, em Brasília - Luís Blanco /Equipe JD
Os pré-candidatos à presidência pelo PSDB Eduardo Leite (RS), Arthur Virgílio (AM) e João Doria (SP) na convenção do partido, em Brasília Imagem: Luís Blanco /Equipe JD

Lucas Borges Teixeira

Do UOL, em São Paulo

26/11/2021 13h43

O PSDB vai retomar a votação das prévias para escolher o candidato do partido à Presidência da República amanhã (27) com um sistema completamente novo. O pleito foi interrompido no último domingo (21) após pane no aplicativo que registrava os votos.

A nova votação deverá ocorrer das 8h às 17h via app, agora gerenciado por uma nova empresa. Concorrem pela vaga o ex-senador Arthur Virgílio (AM) e os governadores Eduardo Leite (RS) e João Doria (SP).

O anúncio da retomada das prévias foi feito pelo presidente do partido, Bruno Araújo, na tarde de hoje. A Executiva Nacional do PSDB passou a semana se reunindo com as campanhas e testando novos softwares para dar prosseguimento à votação dos mais de 40 mil filiados que não conseguiram registrar suas escolhas no último final de semana.

"Nós escolhemos uma empresa que vai retomar o processo de processo de prévias do PSDB no mesmo horário da tradição eleitoral brasileira, de 8h às 17h", declarou Araújo, em coletiva após reunião com as candidaturas. Se não houver outra intercorrência, é esperado que o resultado seja divulgado até as 20h.

A votação se mantém online, mas não será mais pelo mesmo aplicativo do domingo, desenvolvido pela Faurgs (Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul). O filiado deverá acessar o site de votação do PSDB (disponível a partir das 8h), da empresa BeeVote, se registrar por meio de confirmação via SMS, criar uma conta com o título de eleitor e votar. É possível salvar um comprovante de votação.

A princípio, a votação ficará aberta durante essas nove horas e só poderão votar aqueles que já haviam se inscrito até o dia 14 de novembro e não conseguiram votar no último domingo. Os que conseguiram registrar o voto —seja presencialmente em Brasília, seja pelo aplicativo anterior— estão com seus votos armazenados e não precisam refazer a operação.

Após as 17h, as urnas eletrônicas da votação presencial e os dois sistemas online serão apurados.

Em busca de um aplicativo

A adoção do aplicativo foi uma ideia da Executiva Nacional para que filiados de todo o país pudessem votar. A ferramenta foi desenvolvida pela Faurgs ao custo de R$ 1,3 milhão, exclusivamente para o pleito.

Não deu muito certo. No último domingo, o app desenvolvido funcionou normalmente das 7h às 8h30 e depois passou a apresentar instabilidade. Entre as principais reclamações dos filiados estava um defeito no reconhecimento facial para registrar o voto. Estima-se que cerca de 3.500 tucanos, menos de 5% do total, tenham votado.

De acordo com o partido, as causas da instabilidade ainda estão sendo investigadas —chegou-se a especular, inclusive, ataque hacker—, mas a prioridade se tornou arrumar uma empresa que conseguisse assumir a responsabilidade. Duas outras ferramentas foram testadas ao longo da semana, mas não apresentaram bons resultados.

Agora, uma quarta empresa passou nos testes preliminares nesta madrugada.

A confirmação feita pela Executiva foi comemorada por todos os candidatos, que pregam, em meio a uma acirrada na tensão, a retomada da votação mais rápido possível.

"Concordamos e apoiamos a decisão do presidente do PSDB, Bruno Araújo, para dar prosseguimento às prévias do PSDB amanhã", declarou Doria em seu Twitter.

O mais importante foi alcançado: segurança de que os votos serão sigilosos! Que cada tucano vote com o coração e esperança! Vamos juntos pra uma candidatura com a cara do PSDB!", concordou Leite, também na rede social.

Em meio à indecisão do aplicativo, a disputa, que já vinha com ânimos exaltados, atingiu a temperatura mais quente, com trocas de acusações públicas e desentendimentos internos durante as reunião realizadas no partido.

Política