PUBLICIDADE
Topo

Política

Mendonça visita Fux, e STF marca posse de novo ministro para o dia 16

Fux e André Mendonça se reúnem no STF - Rosinei Coutinho/SCO/STF
Fux e André Mendonça se reúnem no STF Imagem: Rosinei Coutinho/SCO/STF

Rafael Neves

Do UOL, em Brasília

02/12/2021 14h41Atualizada em 02/12/2021 16h01

O STF (Supremo Tribunal Federal) agendou para o próximo dia 16, uma quinta-feira, a posse de André Mendonça, aprovado ontem no Senado para assumir uma vaga na Corte. A data da cerimônia, marcada para as 16h, foi definida em reunião de Mendonça com o presidente do tribunal, Luiz Fux, no início da tarde de hoje.

A posse de Mendonça ocorrerá na última semana de trabalhos do STF em 2021 — a Corte ainda não definiu se a cerimônia será presencial, remota ou híbrida. Como o recesso do Judiciário começará na segunda-feira seguinte, 20 de dezembro, o segundo indicado do presidente Jair Bolsonaro (PL) só começará de fato a atuar no tribunal no ano que vem.

Ontem, logo após a aprovação no Senado, Fux publicou uma nota manifestando "satisfação ímpar" com a chegada no novo colega ao tribunal. O encontro de hoje entre os dois, no STF, durou cerca de uma hora.

Mendonça chegou hoje ao STF pouco antes das 13h e não falou com a imprensa. Pela manhã, o novo ministro havia ido ao Palácio do Planato para "dar um abraço" em Bolsonaro, mas foi informado por jornalistas, na chegada, que o chefe do Executivo havia viajado para o Rio de Janeiro.

Bolsonaro foi ao Rio para participar da formatura do curso de graduação de sargentos da Escola de Sargentos de Logística, em Deodoro. No local, ele voltou a exaltar a chegada de um ministro "terrivelmente evangélico" à Corte.

"Hoje, para mim, para todos nós, para os cristãos, é um dia bastante feliz. Conseguimos enviar para o Supremo Tribunal Federal um homem terrivelmente evangélico. Um compromisso nosso de mandar para a Suprema Corte uma pessoa que tem Deus no coração", comemorou.

Ontem, Mendonça disse que sua aprovação para o STF representa "um salto para os evangélicos".

"A primeira reação foi dar glórias a Deus por essa vitória. É um passo para um homem, mas na história dos evangélicos do Brasil é um salto. Um passo para o homem, um salto para os evangélicos", disse.

Política