PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Mortes crescem 14 vezes após Bolsonaro dizer que vírus estava "indo embora"

18 de março de 2020. Jair Bolsonaro tem dificuldades para colocar máscara descartável durante entrevista coletiva - Mateus Bonomi/AGIF
18 de março de 2020. Jair Bolsonaro tem dificuldades para colocar máscara descartável durante entrevista coletiva Imagem: Mateus Bonomi/AGIF

Arthur Sandes

Do UOL, em São Paulo

19/05/2020 19h33Atualizada em 19/05/2020 20h11

Resumo da notícia

  • "Parece que está começando a ir embora a questão do vírus", disse Bolsonaro em 12 de abril
  • À época, o Brasil registrava 1.225 mortes por covid-19
  • Desde então houve nove novos recordes de registros de óbitos em 24 horas
  • "E daí?", "não sou coveiro" e "todos morreremos um dia": como Bolsonaro encara a pandemia

Em 12 de abril, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou em uma live que o coronavírus estava "começando a ir embora" do Brasil. Hoje (19), cinco semanas após a declaração, o país registrou pela primeira vez mais de mil mortes em apenas 24 horas. No total, são 17.971 óbitos pela doença, 14,6 vezes mais do que naquele dia de abril.

Na ocasião, o Brasil registrava 1.225 mortes por covid-19. Bolsonaro defendia que a pandemia estava perdendo força enquanto crescia o desemprego, um problema tão ou mais grave em sua visão.

"Lá atrás eu dizia: o vírus e o desemprego. Quarenta dias depois, parece que está começando a ir embora a questão do vírus. Mas está chegando e batendo forte o desemprego. Devemos lutar contra essas duas coisas", afirmou Bolsonaro então, em uma live com religiosos.

Dois dias depois da declaração, em 14 de abril o Brasil contabilizou 208 novas mortes por covid-19, um recorde à época. Desde então foram estabelecidos outros nove recordes de registro de óbitos em 24 horas, incluindo o de hoje, que adicionou mais 1.179 mortos ao balanço do Ministério da Saúde.

Bolsonaro já disse diversas vezes que considera o isolamento social um exagero — ou "histeria" e "neurose", como chegou a classificar — e já afirmou que, se dependesse dele, "quase nada teria sido fechado" por causa da covid-19.

A ciência diz o contrário, e médicos e a OMS (Organização Mundial da Saúde) considera o isolamento social como estratégia mais eficaz contra a pandemia. Diversos estudos apontam nessa direção; um deles, divulgado pela USP (Universidade de São Paulo) neste mês, conclui que a quarentena salva uma vida a cada quatro minutos no Brasil.

Os epitáfios do presidente

A pandemia tem sido marcada pelo comportamento de Bolsonaro, que provoca aglomerações quase todos os dias e acumula críticas por suas declarações. Por tudo isso, já foi apontado por uma revista científica como "a maior ameaça à resposta do Brasil à covid-19". Abaixo, o UOL relembra algumas das falas criticadas.

16 de março, 234 casos registrados
"Não posso viver preso dentro do Palácio da Alvorada, esperando mais cinco dias, com problemas grandes para serem resolvidos no Brasil", disse Bolsonaro, em semana na qual aguardava o resultado de seu segundo exame de covid-19. No dia anterior, ele havia cumprimentado e tirado fotos com apoiadores em um ato que atacava o STF e o Congresso.

29 de março, 136 mortes registradas
"Essa é uma realidade, o vírus tá aí. Vamos ter que enfrentá-lo, mas enfrentar como homem, porra, não como um moleque. Vamos enfrentar o vírus com a realidade. É a vida. Todos nós iremos morrer um dia", disse Bolsonaro.

2 de abril, 202 mortes registradas
"Eu fui em Ceilândia e Taguatinga no fim de semana passado e fui massacrado pela mídia. Duvido que um governador desses, Doria [João, de SP], Moisés [Carlos, de SC], vá no meio do povo. Vai nada. Tá com medinho de pegar vírus?", provocou Bolsonaro em conversa com apoiadores.

20 de abril, 2.575 mortes registradas
"Ô, ô, ô, cara. Quem fala de... eu não sou coveiro, tá entendendo? Não sou coveiro", disse Bolsonaro quando questionado sobre o número crescente de mortes por covid-19.

28 de abril, 5.017 mortes registradas
"E daí? Lamento. Quer que eu faça o quê? Eu sou Messias, mas não faço milagre", disse Bolsonaro no dia em que o Brasil ultrapassou o número de mortos da China.

7 de maio, 9.146 mortes registradas
"Vou fazer churrasco sábado, aqui em casa. Vamos bater um papo, quem sabe uma peladinha. Devem ser uns 30 (convidados)", disse Bolsonaro, rindo. O churrasco não aconteceu, mas no dia citado ele andaria de jet ski enquanto o Brasil batia 10 mil mortes.

14 de maio, 13.993 mortes registradas
"Não precisa dessa gana toda para conter a expansão [do coronavírus]. É só conter por um tempo, porque o vírus vai atingir pelo menos 70% da população. Essa maneira radical de proporcionar lockdown não dá certo, e não deu certo em lugar algum do mundo", disse Bolsonaro, em crítica ao isolamento social.

Coronavírus