PUBLICIDADE
Topo

Bolsonaro diz que governadores que pregam isolamento têm 'medinho' do vírus

Do UOL, em São Paulo

02/04/2020 15h59Atualizada em 02/04/2020 17h26

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou a criticar governadores que defendem políticas de distanciamento social para evitar a disseminação do novo coronavírus. Bolsonaro disse hoje duvidar que eles sairiam às ruas, como o presidente fez, porque têm "medinho" da covid-19, que já matou quase 300 pessoas no Brasil.

"Eu fui em Ceilândia e Taguatinga no fim de semana passado e fui massacrado pela mídia. Duvido que um governador desses, Doria [João, de SP], Moisés [Carlos, de SC], vá no meio do povo. Vai nada. 'Tá' com medinho de pegar vírus?", desafiou o presidente em conversa com pastores em frente ao Palácio da Alvorada.

Bolsonaro também disse querer que o povo volte a trabalhar, reforçando que "vai morrer gente", sim, mas que não tem como fugir da pandemia. "Não pode deixar de trabalhar. Vamos cuidar dos idosos — você cuida do seu pai, eu cuido da minha mãe, que está viva. Por quê? A segunda onda que vem em função do desemprego vai ser terrível", disse.

Ele também voltou a duvidar das justificativas que levaram países em todo o mundo a adotar medidas de distanciamento social. Como já explicaram a OMS (Organização Mundial da Saúde) e o próprio Ministério da Saúde, o isolamento é importante para segurar a expansão da epidemia e, assim, evitar o colapso dos hospitais.

"Eu desconheço qualquer hospital que esteja lotado, muito pelo contrário. Tem um hospital no Rio de Janeiro, um tal de Gazolla, que se não me engano tem 200 leitos, mas só tem 12 ocupados até agora", afirmou, sem explicar de onde tirou esses números e possivelmente fazendo referência ao Hospital Municipal Ronaldo Gazolla (Hospital de Acari).

Ataques diretos a Doria

O governador João Doria (PSDB-SP) foi o principal alvo de ataques por parte do presidente. Ele acusou o paulistano de ser responsável por acabar com o comércio em São Paulo e não ter pedido autorização para tomar as iniciativas que tomou.

"O governador Doria acabou de fazer um vídeo dizendo que eu sou responsável e que tenho que resolver problema de arrecadação deles. Eles acabaram com o comércio, o Doria acabou com o comércio do estado. Não pediu para mim, não conversou comigo para fazer aquela loucura", criticou.

Bolsonaro, por fim, ainda cutucou o governador de Santa Catarina, Carlos Moisés (PSL), um ex-correligionário: "Esse Carlos Moisés se elegeu com meu nome. Mais um que se elegeu com meu nome. É o dono do estado. As consequências estão aí".

Coronavírus liga alerta pelo mundo

Coronavírus