PUBLICIDADE
Topo

Brasil chega a quase 20 mil casos de covid em 24 h e aposta em cloroquina

Coveiro no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus - Lucas Silva/picture alliance via Getty Images
Coveiro no cemitério Nossa Senhora Aparecida, em Manaus Imagem: Lucas Silva/picture alliance via Getty Images

Arthur Sandes, Carolina Marins e Juliana Arreguy

Do UOL, em São Paulo

20/05/2020 18h49Atualizada em 20/05/2020 19h53

Resumo da notícia

  • País tem 291.579 infectados e 3.483 óbitos suspeitos em investigação. 116.683 pacientes já se recuperaram da doença
  • Saúde divulgou protocolo para uso de cloroquina nos tratamentos, mas estudos não atestam eficácia da medicação
  • Responsabilidade sobre efeitos colaterais fica nas mãos dos pacientes
  • Pasta está sendo conduzida pelo ministro interino general Pazuello

Um dia após o Brasil registrar mais de mil mortes em 24 horas pela covid-19, o Ministério da Saúde divulgou a maior quantidade de resultados de diagnósticos entre um dia e outro desde o início da pandemia: 19.951 casos confirmados, totalizando 291.579 infectados no país.

São 888 novos óbitos confirmados pela pasta entre ontem e hoje. Com isso, chega a 18.859 o número de mortes pelo novo coronavírus. Ainda segundo o ministério, 3.483 óbitos suspeitos ainda estão em investigação e 156.037 casos seguem em acompanhamento. Um total de 116.683 pacientes já se recuperaram da doença.

Ontem, o país havia passado pela primeira vez a marca de mil mortes pela covid-19 em um dia — foram 1.179 registros novos. A estratégia do governo federal diante deste cenário insiste no tratamento com cloroquina e hidroxicloroquina, apesar de não haver comprovação científica sobre a eficácia do medicamento em infectados pelo novo coronavírus.

Estudos no mundo todo refutam eficácia da cloroquina

Sob comando do general Eduardo Pazuello, ministro interino — que Bolsonaro já avisou que deve "ficar muito tempo" — o Ministério da Saúde divulgou hoje um protocolo para o uso de cloroquina e hidroxicloroquina nos tratamentos, sugerindo a adoção dos fármacos em casos leves da doença.

O medicamento foi o principal motivo para a saída dos ex-ministros Nelson Teich e Luiz Henrique Mandetta da pasta.

No mundo inteiro, não há estudos definitivos que comprovem a eficácia da cloroquina no combate à covid-19. As pesquisas são mais claras quanto aos efeitos colaterais do que quanto aos supostos benefícios. A OMS (Organização Mundial da Saúde) afirma que não há tratamento "conhecido e efetivo" contra o novo coronavírus.

O maior estudo feito até hoje é da Universidade de Columbia, nos Estados Unidos, que contou com a participação de mais de 1,3 mil pessoas em Nova Iorque. O artigo publicado no último dia 7 aponta que pacientes da covid-19 que foram tratados com hidroxicloroquina não apresentaram resultados melhores do que os que não receberam o medicamento.

Outro estudo norte-americano, este da Universidade de Virginia, concluiu que "não houve evidência de que o uso de hidroxicloroquina, seja com ou sem azitromicina, reduziu o risco de ventilação mecânica em pacientes internados com covid-19". Pior, os cientistas notaram "uma associação de aumento de mortalidade geral" em pacientes tratados apenas com a cloroquina.

No Brasil, um estudo sobre cloroquina precisou ser interrompido em Manaus por questões de segurança após 11 pacientes morrerem. A pesquisa da Fiocruz Amazônia e da Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) notou em apenas três dias que pacientes que tomavam a dose mais alta da cloroquina apresentavam arritmias cardíacas como efeito colateral.

O estudo brasileiro tentava replicar as conclusões de três cientistas chineses, que em fevereiro publicaram um artigo que alegava "melhora do estado dos pulmões" e "diminuição da duração da doença" em pacientes tratados com cloroquina. Estes resultados nunca foram replicados por outros estudos.

Há certa confusão entre os estudos, por isso pesquisadores dos EUA e do Canadá analisaram os artigos que já existem. O trabalho analisou 12 pesquisas publicadas e concluiu que a metodologia usada até agora tem sido "muito pobre".

Entre os efeitos colaterais da cloroquina estão náusea, alterações na visão, taquicardia e problemas no rim.

Paciente deve assinar termo de consentimento

Acompanhando o protocolo, também foi publicado pelo Ministério da Saúde um termo de consentimento a ser assinado pelo paciente sobre os riscos dos medicamentos.

Segundo a secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Mayra Pinheiro, o termo deixa a responsabilidade sobre possíveis efeitos colaterais nas mãos do paciente. Ela havia sido questionada sobre a possibilidade de um paciente tentar processar a União em caso de fortes efeitos colaterais por causa da cloroquina.

"O termo de conhecimento livre e esclarecido deixa o paciente estabelecido que ele tem acesso a todas as informações e riscos", disse ela durante entrevista coletiva concedida pelo Ministério da Saúde nesta tarde. A secretária afirmou que assinar tais termos faz parte da "rotina de procedimentos médicos".

Contestado por sociedades médicas, pela Opas (Organização Pan-Americana da Saúde) e pela OMS (Organização Mundial da Saúde), o protocolo do Ministério da Saúde pode ser lido, na íntegra, através deste link.

Hoje, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) elogiou o ex-ministro Teich, e afirmou que continua seu amigo. "Estou quase apaixonado por ele. Diferentemente do anterior [Mandetta], que está lá criticando", disse.

Durante coletiva de hoje do Ministério da Saúde para atualização sobre a situação do novo coronavírus, o secretário-executivo, Élcio Franco, garantiu que a decisão da pasta tem respaldo científico, apesar dos diversos estudos que contestam a eficácia do medicamento e apontam diversos efeitos colaterais.

"Esse trabalho vem sendo feito já há algum tempo e em momento algum, algum princípio ético ou científico foi negligenciado ou foi conduzido somente por determinação de alguma autoridade", disse.

"Não é um cumprimento de ordem, mas sim um trabalho sério, técnico, conduzido por especialistas com reconhecimento na comunidade científica e que integra o corpo do ministério, com colaboração de outros técnicos do Brasil e do mundo".

A secretária de Gestão do Trabalho e da Educação do ministério, Mayra Pinheiro, ainda acrescentou que "nós não podemos esperar evidências" [sobre a eficácia do medicamento], em nome de uma "equidade no acesso à saúde".

"Não podemos permitir que o Brasil seja dividido entre pessoas que podem ter acesso em hospitais privados e brasileiros que não terão acesso no âmbito do serviço de saúde", cocluiu.

Cálculos da Saúde não refletem as últimas 24h

Os números de diagnósticos e óbitos confirmados pelo governo entre um dia e outro não necessariamente ocorreram de ontem para hoje.

O Ministério da Saúde explica que há atrasos de até dois meses nos registros feitos pelas secretarias, provocados pela fila de testes, e que as confirmações podem refletir ocorrências desde o início da pandemia.

O UOL já identificou atrasos de mais de 50 dias para a oficialização de mortes.

Coronavírus