PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Mesmo com proibição, cariocas jogam altinha e futevôlei em praias do Rio

Cariocas vão às praias neste sábado (18)

Herculano Barreto Filho

Do UOL, no Rio

18/07/2020 17h25

Em um sábado de muito sol e pouca fiscalização, os cariocas foram às praias do Rio e descumpriram determinações impostas pelas medidas de flexibilização da quarentena da prefeitura. Na praia do Arpoador, zona sul carioca, o UOL flagrou dezenas de pessoas jogando altinhas (um jogo de futebol em que a bola não pode tocar no chão) e futevôlei.

Esportes coletivos passaram a ser permitidos na fase 4 da flexibilização, que entrou em vigor ontem (17). Mas a prática só é liberada de segunda a sexta-feira. A altinha ainda é proibida. A reportagem também registrou pessoas tomando banho de sol sem máscara nas praias de Copacabana e Ipanema, também na zona sul. Até ontem, o estado do Rio contabilizava quase 12 mil mortes por covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Policiais militares só apareceram na areia de Ipanema, próximo ao Arpoador, por volta das 12h45. Disseram apenas que as pessoas poderiam permanecer na areia se praticassem atividades, sem coibir altinhas, proibidas no decreto municipal.

Embora houvesse um veículo da Guarda Municipal estivesse estacionado de frente para a praia, agentes não foram ao local para fiscalizar, entre a manhã e o começo da tarde de hoje.

Confusão sobre as permissões

18.jul.2020 - O motorista Luis Roberto de Souza e a professora Andreia Fernandes vieram de São Paulo para aproveitar as praias do Rio. Mas eles não sabiam da proibição de tomar banho de sol - Herculano Barreto Filho/UOL - Herculano Barreto Filho/UOL
18.jul.2020 - O motorista Luis Roberto de Souza e a professora Andreia Fernandes vieram de São Paulo para aproveitar as praias do Rio. Mas eles não sabiam da proibição de tomar banho de sol
Imagem: Herculano Barreto Filho/UOL

Entre os frequentadores da praia, ainda havia confusão entre o que é ou não permitido. O motorista Luis Roberto de Souza, 45, e a professora Andreia Fernandes, 43, vieram de São Paulo para dar um tempo na quarentena. Sentados na areia da praia de Ipanema, eles não sabiam que a prática era proibida.

"Não pode ficar na areia? A gente não sabia. Quais são as regras, afinal?", perguntou Andreia.

Os frequentadores da praia também questionaram a reabertura de igrejas e shoppings em contraste com as restrições às praias. Em reportagem do UOL, especialistas fizeram o mesmo tipo de crítica, apontando "desprezo por evidências científicas" nas medidas de reabertura adotadas pelo prefeito Marcelo Crivella (Republicanos-RJ).

Shoppings e igrejas ficam em ambientes fechados, com mais perigo de transmissão do vírus. Aqui, estamos ao ar livre e não há aglomeração
Janaína Santos, auxiliar administrativa

"Não tem sentido liberar shoppings e não liberar as praias. Não entro nessa onda", critica Iago Muniz, 20, que foi à praia pela primeira vez com a namorada desde o começo da pandemia.

Assim como Iago, a arquiteta Camila Oliveira, 42, também voltou à praia pela primeira vez após a expansão do vírus no país.

"Hoje, coloquei o biquíni e pensei: 'Quem sabe não dou um mergulho pela primeira vez desde o começo do isolamento?'. Sei que está errado ficar na areia. Mas o que vale é o bom senso de manter o distanciamento e evitar aglomerações. Vou para casa sabendo que não coloquei ninguém em risco", argumenta.

O que pode e o que não pode nas praias do Rio

  • São permitidas atividades esportivas individuais nas praias do Rio desde 17 de junho, quando começou a fase 2 da flexibilização da quarentena;
  • Esportes coletivos, como futevôlei, futebol e frescobol, passaram a ser permitidos desde sexta-feira (17), na fase 4. Mas só podem ser praticados de segunda a sexta-feira. Essas atividades ainda são proibidas nos finais de semana;
  • A prática de altinha segue proibida;
  • Atividades físicas no calçadão são permitidas desde 2 de junho, na fase 1 da flexibilização da quarentena;
  • É proibido permanecer na areia sem o uso de máscara de proteção;
  • Também é proibido tomar banho de sol.

O que dizem a Guarda Municipal e a PM-RJ

A Guarda Municipal diz manter há uma semana a operação "Blitz da Vida", para conscientizar a população sobre os cuidados necessários para evitar o contágio na orla da zona sul do Rio. Segundo a nota, 81 agentes atuaram na região hoje, com o apoio de 20 veículos.

A Guarda Municipal revela ter multado 34 pessoas hoje por não usarem máscara de proteção e ter desmontado redes para a prática de esportes coletivos em Copacabana e no Leme, proibidos no fim de semana. Mas não informou ter tido conhecimento das redes instaladas no Arpoador, onde a reportagem flagrou pessoas praticando altinhas e futevôlei.

O órgão informou já ter autuado mais de 1.500 pessoas na capital fluminense.

Questionada pela reportagem sobre a ação de policiais militares nas praias da zona sul flagradas hoje pela reportagem, quando os servidores não coibiram altinhas e futevôlei, a PM-RJ (Polícia Militar do Rio) se limitou a dizer que a corporação está alinhada com os órgãos municipais.

"Os policiais militares estão instruídos a priorizar a conscientização e o diálogo no contato com os cidadãos. Diante de uma situação de descumprimento, a equipe policial faz a abordagem para alertar tais pessoas, que podem ser conduzidas para a delegacia caso sigam descumprindo a solicitação", afirmou em nota.

    Coronavírus