PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Mandetta, Teich, Pazuello e Queiroga: os 4 ministros da Saúde da pandemia

Luiz Henrique Mandetta foi o 1º ministro da Saúde do governo, tendo deixado o cargo em 16 de abril de 2020 - Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Luiz Henrique Mandetta foi o 1º ministro da Saúde do governo, tendo deixado o cargo em 16 de abril de 2020 Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Anaís Motta

Do UOL, em São Paulo

15/03/2021 22h27Atualizada em 16/03/2021 09h12

Com a nomeação de Marcelo Queiroga, o Brasil chegou hoje ao seu quarto ministro da Saúde desde o início da pandemia. O médico cardiologista vai substituir o general Eduardo Pazuello, o mais longevo no cargo, que vinha sendo criticado por sua subserviência ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e sua condução da política sanitária contra a covid-19 — em especial, no que diz respeito às vacinas.

Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, os dois primeiros ministros da gestão Bolsonaro, deixaram o cargo por discordarem da maneira com que o presidente queria atuar na pandemia. Já Pazuello foi substituído não por vontade de Bolsonaro, mas por pressão de parlamentares do centrão, segundo apurado pelo UOL.

Queiroga era a segunda opção do presidente. Sua colega de profissão, a médica cardiologista Ludhmila Hajjar, foi a primeira a se reunir com Bolsonaro e ser convidada para o cargo, mas recusou por ter "divergências técnicas" com o governo. Assim como Queiroga, ela reforça a importâncida das medidas de isolamento social e é contra o "tratamento precoce" contra a covid-19, defendido muitas vezes pelo presidente.

Relembre quem foram os três primeiros ministros da Saúde e conheça Marcelo Queiroga:

Luiz Henrique Mandetta

Luiz Henrique Mandetta - Ueslei Marcelino/Reuters - Ueslei Marcelino/Reuters
Imagem: Ueslei Marcelino/Reuters

Profissão: médico ortopedista

Período como ministro: de 1º de janeiro de 2019 a 16 de abril de 2020

Como foi a gestão: Mandetta era um defensor das medidas de isolamento social e sempre recomendou que a população seguisse as orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Motivo da saída: O protagonismo que Mandetta ganhou ao liderar o combate ao coronavírus incomodou Bolsonaro. Em dado momento, a aprovação do Ministério da Saúde sob seu comando foi maior que a do presidente, segundo pesquisa Datafolha feita à época. Além disso, o apoio público de Bolsonaro ao uso da cloroquina no tratamento da covid-19, mesmo não havendo comprovação de sua eficácia, também foi motivo de discordância entre os dois.

Nelson Teich

Nelson Teich - Adriano Machado/Reuters - Adriano Machado/Reuters
Imagem: Adriano Machado/Reuters

Profissão: médico oncologista

Período como ministro: 16 de abril de 2020 a 15 de maio de 2020

Como foi a gestão: Tendo permanecido no cargo por pouco menos de um mês, Teich pouco pôde fazer como ministro da Saúde. Assim como Mandetta, ele defendia o isolamento social e chegou a propor lockdown (confinamento total) para cidades com maior taxa de transmissão do coronavírus.

Motivo da saída: Teich vinha sendo cobrado por Bolsonaro para mudar o protocolo do Ministério da Saúde para o tratamento da covid-19. O presidente defendia a recomendação para o uso da cloroquina, enquanto o então ministro não considerava o medicamento uma solução. Além disso, Teich estava isolado, não tendo sido sequer consultado quando o governo federal editou um decreto que ampliava as atividades consideradas essenciais para incluir academias e salões de beleza.

Eduardo Pazuello

Eduardo Pazuello - José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo - José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo
Imagem: José Lucena/Futura Press/Estadão Conteúdo

Profissão: general da ativa do Exército

Período como ministro: 15 de maio de 2020 a 15 de março de 2021

Como foi a gestão: Foi sob o comando de Pazuello que o Ministério da Saúde lançou o protocolo de tratamento da covid-19 que recomenda a utilização da cloroquina, como queria Bolsonaro. O ministro foi bastante criticado principalmente por sua subserviência ao presidente — "um manda, outro obedece", como chegou a dizer em uma live — e pela demora na negociação com laboratórios por vacinas contra a covid-19.

Adicionalmente, Pazuello passou a ser investigado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) por suposta omissão na crise sanitária do Amazonas, onde pacientes morreram asfixiados por falta de cilindros de oxigênio medicinal.

Motivo da saída: Com o Brasil batendo consecutivos recordes de mortes por covid-19 e a vacinação ainda em ritmo muito lento, a relação entre Bolsonaro e Pazuello foi exposta às críticas dos aliados do governo, e a saída do ministro ganhou força no último fim de semana. Segundo apurado pelo UOL, o presidente não queria fazer a troca, mas vinha sendo pressionado por parlamentares do centrão.

Quem é Marcelo Queiroga

Marcelo Queiroga - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Imagem: Reprodução/Instagram

Atual presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Marcelo Queiroga é graduado em Medicina pela UFPB (Universidade Federal da Paraíba), especialista em cardiologia, e doutorando em Bioética pela Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, em Portugal.

Hoje, ele dirige o departamento de hemodinâmica e cardiologia intervencionista (Cardiocenter) do Hospital Alberto Urquiza Wanderley (Unimed João Pessoa) e é médico cardiologista intervencionista no Hospital Metropolitano Dom José Maria Pires, também na Paraíba.

Assim como Ludhmila Hajjar, recebida ontem pelo presidente, Queiroga defende o isolamento social como forma de combate à pandemia. Ele também já se posicionou contrário ao "tratamento precoce" defendido por Bolsonaro à base de cloroquina, medicamento comprovadamente ineficaz contra a covid-19.

De perfil técnico, Queiroga atuou na equipe de transição do governo de Michel Temer (MDB) para Bolsonaro no fim de 2018. Em setembro do ano passado, encontrou-se com o presidente no Planalto e chegou a publicar uma foto com ele.

"Doenças cardiovasculares lideram todas as estatísticas de mortalidade no Brasil e no mundo. O presidente Jair Bolsonaro tem atenção especial a esse cenário. Em audiência no Palácio do Planalto, tratei com o presidente sobre as ações da Sociedade Brasileira de Cardiologia no enfrentamento às doenças do coração", escreveu à época.

(Com Estadão Conteúdo e Reuters)

Errata: o texto foi atualizado
Marcelo Queiroga é doutorando em Bioética na Universidade do Porto, em Portugal

Coronavírus