PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Doria: Esperamos que Anvisa libere CoronaVac para criança na próxima semana

Do UOL, em São Paulo

14/01/2022 12h41Atualizada em 14/01/2022 21h46

O estado de São Paulo iniciou hoje a vacinação infantil de crianças entre 5 a 11 anos com o imunizante da Pfizer contra a covid-19. O governador João Doria (PSDB), que está presente no evento da primeira aplicação infantil, disse esperar que a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) libere na próxima semana a aplicação da CoronaVac em crianças e adolescentes de 3 a 17 anos.

Apesar do evento promovido por Doria, o início oficial da campanha, no entanto, está previsto para segunda-feira (17).

"Eu espero que na semana que vem possamos ter a deliberação da Anvisa que vem realizando extraordinário trabalho em defesa da ciência médica, da vida, que possa autorizar a vacinação das crianças nessa mesma faixa etária com a CoronaVac."

A coordenadora do Plano Estadual de Imunização, Regiane de Paula, afirmou que, caso não haja liberação da CoronaVac para crianças e a imunização dependa unicamente das vacinas da Pfizer, o prazo de término da vacinação é previsto para março.

"Se tivéssemos a quantidade de doses da Pfizer, faríamos em 3 semanas. Se na semana que vem tivermos esse posicionamento em relação à vacina do Butantan, teremos capacidade de vacinar, mas dependemos do insumo. Mas, em relação à Pfizer, precisamos aguardar o envio", disse.

"Se for a Pfizer, teremos que aguardar para finalizar toda essa população de 5 a 11 anos até março porque as doses vêm de forma muito pequena", completou a coordenadora.

A solicitação da liberação da vacina da CoronaVac ainda amplia a faixa etária de vacinação para 3 a 17 anos, afirmou Regiane de Paula. "A quantidade de doses que está no Butantan para São Paulo nos permite fazer campanha para toda a população do Estado de 3 a 11 anos".

A expectativa do governo paulista é vacinar 4,3 milhões de crianças no período de três semanas —mas, para isso, depende do envio das doses da vacina Pfizer/BioNTech compradas pelo Ministério da Saúde. O estado também aguarda a análise da Anvisa para a aplicação da CoronaVac em crianças e adolescentes de 3 a 17 anos.

Apesar de o imunizante da Pfizer ter sido liberado pela Anvisa em 16 de dezembro, a entrada do imunizante na campanha coordenada pelo governo federal, porém, só foi confirmada em 5 de janeiro. Na contramão da ciência, o presidente Jair Bolsonaro (PL) é contra a vacinação infantil.

Até o fim do primeiro trimestre, o Brasil deve receber quase 20 milhões de doses pediátricas da Pfizer. Para completar a vacinação infantil, de duas doses, o país precisará de pouco mais de 40 milhões de doses.

Coronavírus