PUBLICIDADE
Topo

Segurança pública

Conteúdo publicado há
1 mês

MPRJ e Defensoria começam a ouvir testemunhas e familiares do caso Jacarezinho

Parentes e amigos rezam durante o enterro de Márcio da Silva Bezerra, 43, que foi morto durante uma operação policial na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro - Ricardo Moraes/Reuters
Parentes e amigos rezam durante o enterro de Márcio da Silva Bezerra, 43, que foi morto durante uma operação policial na favela do Jacarezinho, no Rio de Janeiro Imagem: Ricardo Moraes/Reuters

Caio Sartori

Rio

10/05/2021 13h47Atualizada em 10/05/2021 21h00

O MPRJ (Ministério Público do Rio) e a Defensoria Pública do Rio recebem hoje testemunhas da operação policial e familiares dos mortos na semana passada no Jacarezinho, zona norte da capital fluminense. A incursão da Polícia Civil, que culminou em 28 mortes, passa por investigação dos promotores, enquanto os defensores prestam assistência aos parentes das vítimas.

No MPRJ, as apurações tiveram como ponto de partida relatos de arbitrariedades que a polícia teria cometido ao entrar na favela. Recentemente, a promotoria criou um canal para receber esse tipo de denúncia. No caso do Jacarezinho, elas chegaram via "cidadãos, instituições, associações e coletivos, trazendo relatos, imagens e vídeos da operação." Testemunhas e familiares começam hoje a prestar depoimento.

Preocupado com a independência das investigações, o Ministério Público também enviou, na sexta-feira passada (7), um perito próprio para acompanhar os trabalhos do Instituto Médico Legal, que é ligado à Polícia Civil.

Uma das primeiras instituições a se manifestar sobre o episódio do Jacarezinho, a Defensoria viu indícios de execuções quando visitou a comunidade, logo após a ação policial. Disse ter encontrado um cenário que apontava, inclusive, para "desfazimento da cena do crime".

No encontro que terá com as famílias nesta tarde, a Defensoria vai estar acompanhada da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Rio, além do braço fluminense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ). Esses dois representantes também foram à favela no dia da ação e colheram relatos dos moradores.

Segurança pública