PUBLICIDADE
Topo

Suprema Corte dos EUA permite restrição de imigração de Trump

Ataque aéreo em aeroporto de Bagdá que culminou na morte de general iraniano foi ordenado pessoalmente pelo presidente americano Donald Trump - EPA-CRISTOBAL HERRERA
Ataque aéreo em aeroporto de Bagdá que culminou na morte de general iraniano foi ordenado pessoalmente pelo presidente americano Donald Trump Imagem: EPA-CRISTOBAL HERRERA

27/01/2020 17h32

WASHINGTON (Reuters) — A Suprema Corte dos Estados Unidos aprovou nesta segunda-feira uma das políticas de imigração do presidente Donald Trump, permitindo que seu governo implemente uma regra que nega residência permanente legal a certos imigrantes que provavelmente exigirão assistência do governo no futuro.

Com uma votação de 5 a 4, os juízes concederam o pedido do governo de suspender a liminar de um tribunal inferior que havia bloqueado a chamada política de cobrança pública, que foi criticada por defensores dos direitos dos imigrantes como um "teste de riqueza" que iria desproporcionalmente impedir imigrantes não brancos.

Os cinco juízes conservadores do tribunal, incluindo o presidente da Suprema Corte, John Roberts, aprovaram o pedido do governo. Os quatro juízes liberais do tribunal votaram por negar o pedido do governo de suspender a liminar. A ação foi anunciada no momento em que Roberts assumiu como presidente do julgamento de impeachment de Trump no Senado dos EUA.

Ações com o objetivo de bloquear a política foram movidas pela administração dos Estados de Nova York, Connecticut e Vermont, bem como pela cidade de Nova York e várias organizações sem fins lucrativos.

Ao impor uma liminar impedindo a implementação da regra, o juiz distrital dos EUA George Daniels, em Manhattan, em 11 de outubro, chamou a política de "repugnante ao sonho americano" e uma "política de exclusão em busca de uma justificativa".

(Reportagem de Kristina Cooke, Lawrence Hurley, Jonathan Stempel e Andrew Chung)

Internacional