PUBLICIDADE
Topo

Dia da Mentira: o socialismo de Carluxo e o vídeo fake do capitão

Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

01/04/2020 16h57

Os Bolsonaros, pai e filho, resolveram comemorar em grande estilo o 1º de abril, conhecido como o Dia da Mentira.

Enquadrado pelos militares na véspera para moderar o discurso na TV, visivelmente contrariado, o novo figurino de Bolsonaro resistiu menos de 12 horas no ar.

Logo cedo, ele voltou para os braços e os conselhos do filho Carluxo, o 02, que agora tem sala no Palácio do Planalto, e voltou ao ataque contra "alguns" governadores e "alguns" prefeitos, responsabilizando-os pelo "desabastecimento", que não existe.

Ao publicar vídeo fake enviado por um apoiador, Bolsonaro endossou a fala irresponsável de um desconhecido.

As imagens mostravam um armazém vazio no Ceasa de Belo Horizonte.

Era a prova que o presidente buscava para mostrar que as medidas de isolamento social, defendidas pelo Ministério da Saúde e pela OMS, estavam deixando o povo sem alimentos.

Só que na mesma hora um repórter da CBN resolveu ir até lá para ver com os próprios olhos o que estava acontecendo e descobriu a maracutaia.

O vídeo tinha sido feito num dia de limpeza geral do Ceasa e, nesta quarta-feira, estava tudo normal, com os boxes do mercado lotados de frutas e verduras, com caminhões aguardando para desembarcar as mercadorias.

Na reportagem, o repórter Bruno Bohnenberger, contou que, segundo os comerciantes, havia até produtos em excesso por causa da baixa procura por conta da pandemia do coronavírus.

É por isso que Bolsonaro odeia a imprensa. Os repórteres são danados para mostrar, com fatos, as mentiras que ele publica alegremente nas redes sociais.

E o que fez o capitão? Pego em flagrante, simplesmente, apagou o vídeo que publicara às 7h35. É assim que ele governa o país.

Mais ou menos na mesma hora, no comando do "gabinete do ódio", agora com mais conforto, Carlos Bolsonaro também foi ao Twitter para advertir os brasileiros sobre o perigo que estão correndo com a chegada dos "vermelhos", certamente comandados pelo banqueiro Paulo Guedes:

"O desenho é claro: partimos para o socialismo. Todos dependentes do estado para comer, grandes empresas vão embora, o pequeno investidor não existe mais. Conseguem a passos largos fazer o que tentam desde antes de 1964. E tem gente preocupada com a fala do presidente".

Fazia referência ao vale de R$ 600 por três meses que o governo resolveu conceder aos mais pobres durante a crise provocada pela pandemia.

Detalhe: até o momento da publicação desse texto, três dias depois de aprovado no Congresso, o pai presidente ainda não havia assinado o decreto.

Vida que segue.

Balaio do Kotscho