PUBLICIDADE
Topo

Balaio do Kotscho

Na festa da cloroquina, Bolsonaro culpa "politização" pelas mortes

24.ago.2020 - Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participa de evento no Planalto para divulgar a hidroxicloroquina - Marcos Corrêa/PR
24.ago.2020 - Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) participa de evento no Planalto para divulgar a hidroxicloroquina Imagem: Marcos Corrêa/PR
Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

24/08/2020 16h03

Leitores recomendam que os jornalistas parem de falar de Jair Bolsonaro, o personagem onipresente no noticiário, mas é impossível. Ele não deixa.

Acabou a breve trégua que se seguiu à prisão de Queiroz. Bolsonaro já voltou a ser ele mesmo

Em evento organizado no Palácio do Planalto para promover o uso da cloroquina no combate à covid-19, na manhã desta segunda-feira, o presidente voltou com a corda toda aos seus ataques contra a imprensa e seus profissionais, e tripudiou sobre a morte de quase 115 mil brasileiros.

Na única menção que fez às vítimas da pandemia, afirmou que "se a hidroxicloroquina não tivesse sido politizada, muito mais vidas poderiam ter sido salvas dessas 115 mil perdidas".

Quem politizou? Em quais estudos científicos o presidente baseia essa conclusão? Ou isso não vem ao caso?

Cansado de ficar em silêncio e posar de moderado, Bolsonaro estava novamente possesso. Reclamou de ser "alvo do deboche da mídia" ao falar do seu histórico de atleta, "mas quando pega num bundão de vocês a chance de sobreviver é bem menor do que a minha".

Alexandre Garcia, a "exceção"

A segurança foi reforçada pelo GSI (Gabinete de Segurança Institucional) do general Heleno para evitar a aproximação dos jornalistas, que segundo o presidente "só sabem fazer maldades".

Nem todos. Ao apontar para Alexandre Garcia, o ex-global que virou garoto-propaganda da cloroquina e se tornou porta-voz informal do bolsonarismo na CNN, uma das atrações do evento organizado por Arthur Weintraub, assessor da Casa Civil e irmão do ex-ministro Abraham, o presidente fez questão de enfatizar:

"Tem exceções, como aqui o Alexandre Garcia".

O grande ausente da cerimônia "Vencendo a covid-19" foi o general interino do Ministério da Saúde, que tinha outro compromisso, demonstrando a importância dada pelo governo ao combate à pandemia, que só serviu de pano de fundo para as queixas do presidente contra o trabalho da imprensa.

Bolsonaro diz que jornalista 'bundão' tem mais chance de morrer por covid

Paraná Portal

Presidente credita frase da "gripezinha" a Drauzio Varella

Na seleta plateia estavam vários médicos defensores da cloroquina e Bolsonaro quis deixar bem claro que quem inventou a história da "gripezinha" foi o oncologista Drauzio Varella, que apresenta um quadro sobre saúde na sua inimiga Globo. "E depois eu fui atrás", esclareceu.

Enquanto isso, no país real, o coronavírus continua matando em média mil pessoas por dia e contaminando outras 38 mil, mas nenhuma nova medida foi anunciada pelo governo durante o evento para enfrentar a pandemia.

Nas redes sociais, a nova ofensiva do presidente contra a imprensa foi prontamente seguida pelas milícias digitais, que invadiram as redes após a ameaça ao repórter do Globo, com a pergunta "Presidente @jairbolsonaro, por que sua esposa Michelle recebeu R$ 89 mil de Fabrício Queiroz?".

Até o momento em que escrevo, nenhuma resposta ainda foi dada. Nem será, enquanto o casal Queiroz continuar recolhido à prisão domiciliar.

Os Bolsonaros não podem nem ouvir falar nisso.

Vida que segue.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Balaio do Kotscho