PUBLICIDADE
Topo

Balaio do Kotscho

Bolsonaro reforça campanha contra a vacina da covid-19

Presidente Bolsonaro reunido com ministros e líderes do centrão para anunciar prorrogação do auxílio emergencial - Marcos Corrêa/PR
Presidente Bolsonaro reunido com ministros e líderes do centrão para anunciar prorrogação do auxílio emergencial Imagem: Marcos Corrêa/PR
Ricardo Kotscho

Ricardo Kotscho, 72, paulistano e são-paulino, é jornalista desde 1964, tem duas filhas e 19 livros publicados. Já trabalhou em praticamente todos os principais veículos de mídia impressa e eletrônica. Foi Secretário de Imprensa e Divulgação da Presidência da República (2003-2004). Entre outras premiações, foi um dos cinco jornalistas brasileiros contemplados com o Troféu Especial de Direitos Humanos da ONU, em 2008, ano em que começou a publicar o blog Balaio do Kotscho, onde escreve sobre a cena política, esportes, cultura e histórias do cotidiano

Colunista do UOL

01/09/2020 20h07

Os fanáticos fundamentalistas que estão a mil por hora nas redes sociais atacando a vacinação em massa contra a covid-19, que ainda nem começou em lugar nenhum do mundo, ganharam um importante reforço nesta terça-feira.

Em resposta a uma apoiadora que cobrou dele uma posição sobre a vacina, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) respondeu na lata, em seu popular estilo aqui-quem-manda-sou-eu:

Ninguém pode obrigar ninguém a tomar vacina.

No vídeo que circula nas redes sociais, diz a seguidora do presidente: "Sou da área de saúde, farmacêutica. Em menos de 14 anos ninguém pode botar uma vacina no mercado".

Neste mundo de certezas do bolsonarismo, na contramão dos estudos médicos e científicos, o que vale é a opinião do presidente, como aconteceu com a liberação da cloroquina e o fim da quarentena.

O general da Saúde, que nomeou um veterinário para cuidar da vacinação, ainda não se manifestou.

Seguindo a orientação do chefe, logo em seguida a Secretaria de Comunicação, em sua conta oficial no Twitter, fez da frase do presidente uma nova propaganda:

"O governo do Brasil investiu bilhões de reais para salvar vidas e preservar empregos. Estabeleceu parceria e investirá na produção de vacina. Recursos para estados e municípios, saúde, economia, TUDO será feito, mas impor obrigações definitivamente não está nos planos".

Que planos são esses, nem o presidente nem a Secom apresentaram até agora.

Trata-se de mais um crime do governo contra a saúde pública, pois a palavra do presidente é lei para milhões de seguidores que também trataram a pandemia como uma "gripezinha" e agora se esbaldam nas praias.

Praia lotada - Wilton Júnior/Estadão Conteúdo - Wilton Júnior/Estadão Conteúdo
30.ago.2020 - Praia de Ipanema, na zona sul do Rio, lotada mesmo com decreto municipal proibindo a permanência na areia
Imagem: Wilton Júnior/Estadão Conteúdo
Ainda não se sabe nem quando as vacinas chegarão ao Brasil, mas já se cria um clima de incerteza sobre o melhor remédio preventivo para o combate à pandemia da covid-19.

Enquanto isso, o governo russo anuncia preparativos para a vacinação em massa que deverá beneficiar toda a sua população já a partir de novembro.

É para esta época que Donald Trump também espera a chegada da vacina norte-americana, seu grande trunfo para reverter o quadro eleitoral desfavorável até aqui para a sua reeleição.

Como no Brasil só haverá eleições presidenciais em 2022, Bolsonaro não está preocupado com isso agora. Só quer agradar os seus devotos antivacina.

Sobre a queda histórica de 9,7% do PIB no segundo trimestre, que coloca a economia brasileira em depressão, o presidente não disse nenhuma palavra.

Vida que segue.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL.

Balaio do Kotscho