PUBLICIDADE
Topo

Carlos Madeiro

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Moderado e apoiado por Renans e Lula: quem é o novo governador de Alagoas

Carlos Madeiro

Formado em jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas e com especialização em gestão de conteúdo em jornalismo pela Universidade Mackenzie, Carlos Madeiro atua há 20 anos e escreve para o UOL desde 2009, participando de grandes coberturas e fazendo reportagens e análises sobre o Nordeste e o Norte do Brasil.

Colunista do UOL

15/05/2022 14h38Atualizada em 16/05/2022 08h30

O deputado estadual e produtor rural Paulo Dantas, 42, foi eleito hoje o novo governador de Alagoas para um mandato tampão até 31 de dezembro. Porém, no que depender dele e do grupo ao qual ele faz parte —comandado pelo senador Renan Calheiros (MDB)—, o tempo de permanência será esticado em mais quatro anos.

Pouco conhecido do eleitor fora do sertão, onde tem suas bases eleitorais, Dantas é um político considerado moderado e negociador. Até por isso, foi escolhido no grupo calheirista para disputar a reeleição em outubro e acompanhado de um palanque forte com o ex-governador Renan Filho (MDB) e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Os três, por sinal, se encontraram em 5 abril, em São Paulo, e posaram para a tradicional foto da aliança.

Deputado estadual em primeiro mandato, Dantas terá agora à frente do governo a missão de se tornar mais popular do grande eleitorado para encarar uma campanha eleitoral com nomes mais conhecidos, como o do senador Rodrigo Cunha (União Brasil) e o do ex-prefeito de Maceió e ex-deputado federal Rui Palmeira (PSD).

Paulo Dantas faz parte de uma família tradicional do sertão alagoano, mais especificamente de Batalha (a 188 km de Maceió), onde foi prefeito entre 2005 e 2012 —e onde hoje sua esposa é a prefeita.

Filho do ex-deputado estadual e federal Luiz Dantas, ele herdou as bases deixadas pelo pai. Sua indicação ao governo contou com o apoio e a articulação do presidente da Assembleia Legislativa, o deputado Marcelo Victor (MDB).

Dantas e Victor, por sinal, eram aliados do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP), mas romperam justamente para formar um bloco e garantir o nome de Dantas na chapa com apoio de Lula e dos Renans.

Durante a campanha para eleição do mandato tampão, Dantas atacou Lira devido às ações judiciais que protelaram a realização da eleição pela Assembleia.

"Os partidos ligados ao deputado Arthur Lira pedem que o voto seja secreto, que não tenha transparência. O que me deixa mais indignado com o que está acontecendo é saber que eles recorreriam ao Judiciário de qualquer jeito, com a finalidade de tumultuar", disse.

Renan Calheiros ao lado de Paulo Dantas, no dia de oficialização de candidatura na Assembleia - Divulgação/Assembleia - Divulgação/Assembleia
Renan Calheiros ao lado de Paulo Dantas, no dia de oficialização de candidatura na Assembleia
Imagem: Divulgação/Assembleia

Perfil

Formado em administração, Paulo Dantas é produtor rural, casado e tem duas filhas. Ele estava em seu primeiro mandato como deputado estadual e, no Parlamento alagoano, era líder do bloco da maioria e presidente da Comissão de Constituição e Justiça.

Segundo o cientista político Ranulfo Paranhos, da Ufal (Universidade Federal de Alagoas), apesar de ser deputado estadual de primeira viagem, Dantas é um ex-prefeito que vem de um sobrenome tradicional na política.

"O pai dele é ex-deputado e foi presidente da Assembleia. Então, quando ele se candidata a deputado estadual, ele está fazendo uma permuta com o pai [que deixou a política]. A esposa dele é prefeita da cidade de Batalha atualmente, então não é alguém que chegou agora na política: ele já nasce e já tem de um DNA da política", afirma.

Um dos desafios dele daqui por diante, diz, é que Paulo terá de ser conhecido especialmente na região da zona da mata litorânea. "Ele não é alguém tão conhecido por estar no primeiro mandato, por ser da região do sertão e por nunca estar envolvido nesse topo da pirâmide dessas discussões políticas", afirma.

Paulo Dantas acompanhou Renan Filho em um os últimos atos do governo - Marco Antônio/Governo de Alagoas - Marco Antônio/Governo de Alagoas
Paulo Dantas acompanhou Renan Filho em um dos últimos atos do governo
Imagem: Marco Antônio/Governo de Alagoas

Mas por que então não houve a escolha de um nome mais conhecido para disputar a eleição? Ranulfo conta que dois motivos contam decisivamente para isso.

"Renan Filho, depois de sete anos, não conseguiu fazer um sucessor, um herdeiro político. É uma árvore sem sombra. Mas ele abriu espaço para a disputa dentro do MDB e do grupo dos aliados", conta.

Dentro desse grupo, diz Paranhos, o deputado Paulo Dantas sobressaiu. "Ele fez uma pré-campanha para governador visitando lideranças políticas no estado que poderiam lhe dar apoio. Nessas visitas ao interior, ele encontrou líderes e conseguiu a simpatia e a confiança do governador", pontua.

Outro ponto que ele destaca é que Dantas tem um perfil conciliador e não radical.

Ele não só integra o grupo e avança na confiança, mas é um político moderado, sem extremos. Ele não é um conservador ou reacionário, nem é um revolucionário. Políticos assim conseguem negociar com mais versatilidade."
Ranulfo Paranhos, da Ufal