PUBLICIDADE
Topo

Carlos Madeiro

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Nunes Marques pede vista, mas eleição em Alagoas fica mantida para domingo

Ministro Nunes Marques pediu mais tempo para analisar ação do PP - Nelson Jr. / STF
Ministro Nunes Marques pediu mais tempo para analisar ação do PP Imagem: Nelson Jr. / STF
Carlos Madeiro

Formado em jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas e com especialização em gestão de conteúdo em jornalismo pela Universidade Mackenzie, Carlos Madeiro atua há 20 anos e escreve para o UOL desde 2009, participando de grandes coberturas e fazendo reportagens e análises sobre o Nordeste e o Norte do Brasil.

Colunista do UOL

13/05/2022 13h22Atualizada em 13/05/2022 13h51

O pleno do STF (Supremo Tribunal Federal) teve cinco votos hoje, em sessão virtual, para negar o recurso proposto pelo PP e confirmar para o próximo domingo (15) a eleição indireta para governador e vice tampão de Alagoas.

O relator do processo, ministro Gilmar Mendes, se manifestou logo cedo nesta sexta-feira e alegou que o novo edital que estabelece regras para escolha de governador e vice do estado, publicado pela Assembleia Legislativa de Alagoas, está de acordo com a lei.

"Extrai-se da jurisprudência sedimentada do STF ao longo de décadas a autonomia relativa dos Estados na solução normativa do problema da dupla vacância da Chefia do Poder Executivo, que não está vinculada ao modelo e ao procedimento federal", diz o ministro em seu voto.

Acompanharam o relator os ministros Edson Fachin, Dias Tofolli, Alexandre de Moraes e Ricardo Lewandowski. Os demais ministros ainda não revelaram seus votos. O julgamento foi suspenso após pedido de vista de Nunes Marques.

Caso ele e os outros cinco ministros não votem a favor do pedido do PP até o domingo, a eleição está mantida. Não tem previsão de o julgamento ser retomado.

O julgamento

Um dos pontos que estava em análise era se a eleição poderia se dar por maioria simples (mais de 50% dos presentes na sessão) ou maioria absoluta (voto de 14 dos 27 deputados). Mendes alegou que não há problemas em o edital prever maioria simples para determinar a chapa eleita.

"Não vislumbro, neste momento processual, plausibilidade na tese de que os estados devem adotar o critério da maioria absoluta no procedimento de eleição indireta", argumentou.

Por fim, o ministro também negou pedido do PP para que o prazo para defesa em caso de impugnação fosse ampliado das 24 horas previstas no edital.

"Os preceitos revelam estrutura suficientemente dialógica, com a possibilidade de impugnação das inscrições e apresentação de defesa, com o subsequente julgamento da questão pela Mesa Diretora, cujo crivo é convalidado pelo Plenário da Assembleia", defende.

Ainda na ação, o procurador-geral da República, Augusto Aras, também se posicionou contra o recurso, alegando que não haveria razão para adiar a votação por conta do curto prazo de impugnação.

Não parece haver nenhuma afronta à Constituição Federal nos exíguos prazos para impugnação das candidaturas e oferecimento de resposta pelos interessados. As garantias do contraditório e da ampla defesa hão de compatibilizar-se com a necessária rapidez do anômalo processo eleitoral."
Augusto Aras, da PGR

Oito chapas

A disputa pelos cargos de governador e vice conta com oito chapas registradas, entre elas três deputados estaduais:

  • Paulo Dantas (MDB), apoiado pelo senador Renan Calheiros (MDB-AL) e pelo ex-governador Renan Filho (MDB)
  • Davi Maia (União) conta com o apoio do presidente da Câmara e Arthur Lira e o senador Rodrigo Cunha (União)
  • Cabo Bebeto (PL), que é fiel escudeiro do bolsonarismo na casa

A votação ocorre de forma aberta pelos deputados estaduais e está marcada para as 13h. Os vencedores tomam posse de imediato.

Com o novo edital, os candidatos "não devem apresentar nenhuma das hipóteses de inelegibilidade" previstas na Constituição Federal e na Lei da Ficha Limpa.

O mandato-tampão é necessário porque o governador Renan Filho renunciou para se candidatar ao Senado em outubro. Já o vice-governador eleito em 2018, Luciano Barbosa (MDB), também renunciou ao cargo em 2020 para ser candidato a prefeito de Arapiraca. Ele venceu a disputa.

Terceiro na linha de sucessão, o presidente da Assembleia Legislativa, o deputado Marcelo Victor (MDB), abdicou do cargo temporário porque, se assumisse, estaria impedido de disputar a reeleição para renovar seu mandato como parlamentar.

Com isso, o governo de Alagoas está desde o dia 2 de abril nas mãos do presidente do Tribunal de Justiça, o desembargador Klever Loureiro.

2.abr.2022 - Klever assina posse de governador interino de Alagoas - Ricardo Freire/Governo de Alagoas - Ricardo Freire/Governo de Alagoas
2.abr.2022 - Klever assina posse de governador interino de Alagoas
Imagem: Ricardo Freire/Governo de Alagoas

Atraso na votação

Até chegar a eleição, houve uma sequência de decisões judiciais contraditórias, que adiaram a votação em 13 dias.

Inicialmente, a eleição deveria ter ocorrido no dia 2, mas foi adiada após o presidente do STF, Luiz Fux, acolher um pedido do PP, com apoio do PSB e do União Brasil, que reclamaram inconstitucionalidade da eleição ter inscrição de candidaturas e votação separada para governador e vice.

Além disso, cobraram que apenas filiados a partidos políticos pudessem se inscrever, seguindo preceitos inelegibilidade da Lei Eleitoral.

Na ocasião, a eleição tinha 16 nomes inscritos para a vaga de governador e oito para de vice.

O edital acabou cancelado dias depois, por decisão de Gilmar Mendes, que mandou a Assembleia Legislativa alterar as regras

Mas a sequência de decisões começou no dia 27 de abril, quando a juíza Maria Ester Manso, da 18ª Vara Cível da Capital, havia suspendido a eleição indireta.

Ela acolheu os argumentos da ação proposta pelo PSB e alegou que o edital tinha "um descompasso com as disposições moldadas pelas Constituições Federal e Estadual" e disse que os candidatos a governador e a vice-governador "deverão ser registrados de forma conjunta, através de chapa única e indivisível para os referidos cargos".

Dois dias depois, o presidente do Tribunal de Justiça de Alagoas em exercício, José Carlos Malta Marques, cassou a liminar que suspendia a votação, alegando que uma eventual decretação de inconstitucionalidade só poderia ser feita pelo STF.

No dia seguinte, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) ratificou a decisão do TJ e manteve a eleição para o dia 2. No domingo, véspera da votação, o ministro Luiz Fux suspendeu a eleição por considerar "risco de perecimento do direito invocado".

A disputa opôs os dois maiores grupos políticos locais, liderados pelo senador Renan e Lira. Em meio às decisões, Calheiros e Lira trocaram duras acusações por redes sociais, um insinuando que o outro seria golpista e estaria tentando atrapalhar a eleição indireta.