PUBLICIDADE
Topo

Carlos Madeiro

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

País perde quase um estado do RJ em vegetação nativa em 3 anos, diz estudo

28 jul. 2021 - Área de desmatamento na fronteira entre a Amazônia e o Cerrado, em Nova Xavantina, em Mato Grosso - Amanda Perobelli/File Photo/Reuters
28 jul. 2021 - Área de desmatamento na fronteira entre a Amazônia e o Cerrado, em Nova Xavantina, em Mato Grosso Imagem: Amanda Perobelli/File Photo/Reuters
Carlos Madeiro

Formado em jornalismo pela Universidade Federal de Alagoas e com especialização em gestão de conteúdo em jornalismo pela Universidade Mackenzie, Carlos Madeiro atua há 20 anos e escreve para o UOL desde 2009, participando de grandes coberturas e fazendo reportagens e análises sobre o Nordeste e o Norte do Brasil.

Colunista do UOL

18/07/2022 00h01

O Brasil perdeu, entre 2019 e 2021, uma área de 42 mil km² de vegetação nativa, o que equivale a quase um estado inteiro do Rio de Janeiro. O dado está no Relatório Anual de Desmatamento no Brasil, do MapBiomas, divulgado hoje.

Segundo o documento, em 2021 houve um aumento de 20% em relação ao ano anterior, com 16.557 km² destruídos. De cada quatro km² desmatados no Brasil no ano passado, um foi no estado do Pará (veja dados detalhados abaixo).

"Com uma média diária de 191 novos eventos, a área de desmatamento por dia em 2021 foi de 4.536 hectares —ou 189 hectares por hora", diz o resumo do relatório.

O estudo usou como base os 69.796 alertas de desmatamento em 2021 feitos pelo Deter (Sistema de Detecção de Desmatamentos em Tempo Real), do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), em todo o país. Ao cruzar os dados com as áreas protegidas, autorizações e CARs (cadastro ambiental rural), o MapBiomas achou irregularidades em 98,6% dos casos de desmatamento.

A análise apontou que 77% da área total desmatada está em imóveis rurais cadastrados no CAR. "Isso significa que, em pelo menos 3/4 dos desmatamentos, é possível encontrar um responsável", diz o MapBiomas.

Ao todo, foram 59.181 imóveis com desmatamento detectado no país em 2021 —0,9% dos imóveis rurais cadastrados no CAR até o ano passado. Destes, 19 mil são reincidentes.

Sobre atividades que mais desmatam, pela primeira vez o relatório traz a especificação de setores, que confirma a agropecuária como a que mais destrói vegetação nativa no no país.

Setores responsáveis pelo desmatamento em 2019-2021:

  • Agropecuária - 97,8%
  • Garimpo - 0,6%
  • Expansão urbana - 0,2%
  • Mineração - 0,1%
  • Outros - 1,3%
Gado é visto perto de um incêndio ilegal na Amazônia em Lábrea, no Amazonas, em 15 de setembro de 2021  - MAURO PIMENTEL / AFP - MAURO PIMENTEL / AFP
Gado é visto perto de um incêndio ilegal na Amazônia em Lábrea, no Amazonas, em 15 de setembro de 2021
Imagem: MAURO PIMENTEL / AFP

Um dado que chama atenção é que, nos últimos três anos, houve crescimento do desmatamento em todas as categorias fundiárias, exceto em Terras Indígenas. Para os pesquisadores do MapBiomas, isso "reforça a importância desses territórios para a preservação ambiental".

Em 2021:

  • 69,5% da área desmatada estava em propriedades privadas;
  • 19,9% em áreas públicas;
  • 5,3% em áreas protegidas;
  • 3,6% em unidades de conservação;
  • 1,7% em Terras Indígenas;

Amazônia continua como a mais afetada

Os números do relatório apontam que a Amazônia foi a que mais perdeu vegetação nativa no Brasil nos últimos três anos. Ao todo, foram 977 mil hectares de mata destruídos no ano passado, 15% a mais que os 851 mil desmatados em 2020 —que já haviam representado um aumento de 10% em relação a 2019.

Somente na Amazônia, 1,9 hectare foi desmatado por minuto —o que equivale a cerca de 18 árvores por segundo.

Ranking de biomas com mais desmatamento (2019-2021):

  • Amazônia - 26 mil km²
  • Cerrado - 13,2 mil km²
  • Caatinga - 1,9 mil km²
  • Pantanal - 659 km²
  • Mata atlântica - 643 km²
  • Pampas - 43 km²
Desmatamento é uma das marcas do Cerrado hoje - Agência Brasil - Agência Brasil
Desmatamento é uma das marcas do Cerrado hoje
Imagem: Agência Brasil

Apesar de ser metade do total destruído em comparação com a Amazônia, o caso do Cerrado foi visto pelos pesquisadores como fora da curva. "Embora o Cerrado tenha uma participação de apenas 9,9% no número total de alertas, a área total desmatada representa quase um terço do total (30,2%)", diz.

Os picos de desmatamento ocorrem em períodos diferentes, de acordo com a vegetação, diz o relatório: no Cerrado, aconteceu na primeira quinzena de maio; na Amazônia, na segunda semana de julho; na mata atlântica e no Pantanal, em agosto; e nos pampas, em outubro.

Em relação aos estados, o Pará foi o mais afetado em números absolutos. Os cinco estados com mais desmatamento responderam por 55% de toda a vegetação destruída em 2021.

São eles:

  • Pará - 409 mil hectares
  • Amazonas - 194 mil hectares
  • Mato Grosso - 189 hectares
  • Maranhão - 167 mil hectares
  • Bahia - 152 mil hectares
Integrantes da Prevfogo, do Ibama, combatem fogo em Novo Progresso, Pará - Gustavo Basso/NurPhoto via Getty Images - Gustavo Basso/NurPhoto via Getty Images
Integrantes da Prevfogo, do Ibama, combatem fogo em Novo Progresso, Pará
Imagem: Gustavo Basso/NurPhoto via Getty Images

O documento diz ainda que, no período analisado, os órgãos de controle ambiental para conter o desmatamento ilegal (Ibama e ICMBio) só atingiram, até maio deste ano, apenas 2,4% dos desmatamentos e 10,5% da área desmatada identificada entre 2019 e 2021.

"Para resolver o problema da ilegalidade é necessário atacar a impunidade. O risco de ser penalizado e responsabilizado pela destruição ilegal da vegetação nativa precisa ser real e devidamente percebido pelos infratores ambientais", diz, em nota, Tasso Azevedo, coordenador do MapBiomas.

Para isso, ressalta que seria preciso atuar em três frentes. "É necessário assegurar que todo desmatamento seja detectado e reportado; que todo desmatamento ilegal receba ação de responsabilização e punição dos infratores; e que o infrator não se beneficie da área desmatada ilegalmente e receba algum tipo de penalização", finaliza.