Carlos Madeiro

Carlos Madeiro

Siga nas redes
Reportagem

Maceió: Cunhada de prefeito muda versão de agressão após ação de servidores

Dois policiais militares que participaram da ocorrência que atendeu uma denúncia de agressão doméstica contra a cunhada do prefeito de Maceió, João Henrique Caldas, o JHC (PL), acabaram presos nesta terça-feira (21), três dias depois do caso, ocorrido no último sábado na capital alagoana.

Eles foram detidos em "flagrante transgressional" por terem agido com "desídia" (falta de zelo) ao permitirem que o policial militar Gilvan Cabral —que é lotado na assessoria militar da Prefeitura de Maceió e não estava de serviço— retirasse do local da ocorrência a dentista Isadora Martins, noiva do médico João Antônio Holanda Caldas, irmão do prefeito, em um carro antes de ela ser levada para a Central de Flagrantes.

Cabral —que teria atuado para intervir e induzir a vítima a mudar de versão— também tem ordem de prisão do comando da PM, mas conseguiu um habeas corpus hoje. A PM informou que vai recorrer e, independentemente disso, terá um processo aberto por deserção (abandono do cargo).

Já João Antônio, alvo da denúncia, não foi preso porque a noiva negou as agressões na delegacia.

O que ocorreu

Na noite do sábado, por volta das 21h, o serviço 190 recebeu uma ligação de Isadora. O áudio com a suposta gravação dessa ligação vazou e circulou em vários grupos de WhatsApp. Fontes policiais afirmam à coluna que o áudio é legítimo.

Nele, a dentista cita que teria sido "jogada no chão" e agredida pelo noivo e pede a presença da PM.

Segundo o boletim policial, a PM foi então até o apartamento no bairro da Jatiúca, em Maceió, e ao chegar se deparou com diversas pessoas estranhas à cena. Entre elas, dois militares do gabinete da prefeitura, um delegado que não estava de serviço e a mãe de João, a suplente de senador Eudócia Caldas (PL-AL).

O outro militar que estava no local foi identificado: é um major bombeiro cedido à prefeitura e que também vai responder a inquérito policial militar.

Continua após a publicidade

Já João Antônio estaria trancado em um quarto quando os militares chegaram. O PM que foi cuidar da ocorrência começou então a conversar com ele e explicou que ele teria de ir prestar explicações na Central de Flagrantes. Após uma ameaça de ter a porta arrombada, ele aceitou e foi levado.

Isadora teria sido levada

Durante esse período em que quatro militares estavam no apartamento, dois dos policiais de serviço desceram até a garagem do prédio para ficar com Isadora. Esses dois militares foram os que acabaram sendo detidos: Sivanilson dos Santos e Fabrício de Souza.

Casal João e Isadora
Casal João e Isadora Imagem: Reprodução/Instagram

Segundo apurou o UOL, o PM lotado na prefeitura e o delegado (que não teve nome revelado) teriam colocado a mulher em um carro e saíram com ela do prédio.

A PM diz que a ação deveria ter sido impedida pelos policiais, já que na condição de suposta vítima, ela deveria ter ficado sob guarda dos militares da ocorrência, nunca de terceiros. Por isso, a apuração vai analisar se agiram "mal intencionalmente ou por falta de atenção durante o serviço."

Continua após a publicidade

A informação repassada pelos militares é que o carro circulou por cerca de 45 minutos, momentos em que ela teria sido convencida a mudar de versão.

Depois disso, Isadora foi levada à Central de Flagrantes, prestou depoimento e negou a agressão, contrariando a informação dada na ligação ao 190. João também negou, e não teve prisão decretada.

Central de Flagrantes em Maceió
Central de Flagrantes em Maceió Imagem: Prefeitura de Maceió

Como denúncias de violência doméstica têm de ser investigadas, mesmo que a suposta vítima não queira mais o curso, um inquérito foi aberto para apurar o caso. Duas delegadas foram designadas e vão apurar o que ocorreu naquela noite.

O objetivo é apurar a narrativa de violência doméstica. O procedimento já foi instaurado por mim e pela delegada Paula Mercês. Todas as circunstâncias do fato estão sendo devidamente apuradas.
Ana Luiza Nogueira, delegada da Mulher de Maceió

Continua após a publicidade

Política entra no caso

O caso gerou grande repercussão no meio político, já que JHC e o governador PauloDantas (MDB), que é o chefe da PM, são rompidos politicamente e trocam farpas com bastante frequência.

Dantas anunciou pessoalmente, na terça-feira, a ordem de prisão disciplinar dos três militares.

A Corregedoria da PM já está tomando todas as providências e já determinou a prisão de dois policiais militares que estavam naquele momento fazendo uma ação para defender o acusado. Tenham certeza que as providências estão sendo tomadas. Será preso o outro policial militar que sequestrou a vítima. O governo não aceita e nem admite homem bater em mulher, marmanjo bater em mulher. Se acontecer isso, será preso e devidamente punido.
Paulo Dantas

JHC adotou o silêncio, assim como seu irmão João Antônio. Procurada, a prefeitura também não quis se posicionar sobre o ocorrido.

Mensagem postada por Isadora um dia após a denúncia contra o noivo
Mensagem postada por Isadora um dia após a denúncia contra o noivo Imagem: Reprodução
Continua após a publicidade

A única a se pronunciar foi Isadora, que afirmou que tudo não passou de um "mal-entendido" do casal e lamentou o uso do caso. Diz que o casal está bem e que continua junto.

Prisão criticada por associação

A prisão dos PMs gerou revolta da Associação dos Militares do Estado de Alagoas.

A entidade divulgou nota manifestando "pleno apoio aos militares presos administrativamente em razão dos desdobramentos de ocorrência de violência doméstica passada no último fim de semana."

Diz que a prisão "lamentavelmente encontra amparo jurídico", mas afirma que presta toda solidariedade e apoio jurídico e psicológico aos militares e familiares deles.

Reportagem

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes