PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

Ao falar de Biden, Greenwald mostra visão errada sobre esquerda brasileira

O jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil - Brendan Smialowski/ AFP
O jornalista Glenn Greenwald, fundador do site The Intercept Brasil Imagem: Brendan Smialowski/ AFP
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

08/11/2020 14h12

Em entrevista a Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo, o jornalista americano Glenn Greenwald engrossou a lista de participantes da mais recente polêmica das redes sociais. Desde que se desenhou a vitória de Joe Biden na eleição a presidente dos Estados Unidos, surgiram advertências aos brasileiros que iniciavam uma comemoração: nada de alegria, democratas e republicanos são farinha do mesmo saco.

Greenwald envereda por esse caminho quando afirma na entrevista que a esquerda brasileira tem percepção errada sobre Biden. "Ele não é Lula, não é Evo Morales, não é contra a guerra, não é socialista", diz.

O jornalista e outros que estão envolvidos nesse debate prestarão um grande favor se apontarem quais brasileiros, seja de esquerda, direita ou centro, fizeram parecer que esperam de Biden atitudes revolucionárias.

A torcida de muitos no Brasil, assim como a votação da maioria dos americanos, foi mais contra Trump que pró-Biden.

Os motivos foram exaustivamente expostos: o negacionismo em relação à pandemia, que resultou em milhares de mortes que poderiam ter sido evitadas, a briga contra as evidências do colapso ambiental, o apoio a grupos de fanáticos racistas, machistas e homofóbicos. Tudo isso faz parte do repertório que Trump colocou em prática nos quatro anos de sua administração.

As consequências para os brasileiros, com o alinhamento do governo Bolsonaro aos americanos, são notáveis. Para quem acredita em outros valores, a derrota de Trump representa um importante revés para o reacionarismo que se espalhou pelo mundo.

Difícil encontrar adulto que tenha ido além da quarta série e desconheça o pendor imperialista e protecionista dos presidentes americanos, não importa o partido a que pertençam. Sempre que Biden fizer isso na contramão da democracia deverá ser criticado. Não se cogita anular o espírito crítico em relação ao democrata.

À frente do site The Intercept Brasil, Glenn Greenwald prestou um grande serviço jornalístico ao país com a série Vaza Jato, em que se revelou a comprometedora parceria entre o ex-juiz Sergio Moro e a Força Tarefa da Lava Jato.

Na análise sobre a visão dos brasileiros em relação a Joe Biden, porém, acabou colaborando involuntariamente para uma onda nas redes sociais, daquelas que nascem do nada e morrem em lugar nenhum.

Sem nutrir ilusões, os que lutam pelos direitos das minorias, os defensores da conservação ambiental e os que preconizam que a ciência deva suplantar o charlatanismo certamente estarão mais identificados com o democrata que vai assumir a Casa Branca em janeiro.