PUBLICIDADE
Topo

Chico Alves

Mandetta confirma articular com Huck e Moro, mas deixa chapa para 22 aberta

Ex-ministro da Saúde mantém conversas com Moro e Huck de olho em 2022, mas definir nomes para chapa "só mais à frente" - Carolina Antunes/PR
Ex-ministro da Saúde mantém conversas com Moro e Huck de olho em 2022, mas definir nomes para chapa "só mais à frente" Imagem: Carolina Antunes/PR
Chico Alves

Chico Alves é jornalista, por duas vezes ganhou o Prêmio Embratel de Jornalismo e foi menção honrosa no Prêmio Vladimir Herzog. Foi editor-assistente na revista ISTOÉ e editor-chefe do jornal O DIA. É co-autor do livro 'Paraíso Armado', sobre a crise na Segurança Pública no Rio, em parceria com Aziz Filho.

Colunista do UOL

09/11/2020 11h35

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta falou à coluna sobre a articulação com Sergio Moro e Luciano Huck para construir uma candidatura à presidência em 2022. A primeira dúvida sobre essa movimentação é: quem estaria na cabeça da chapa? "Nomes mais à frente, agora é identificar pontos de convergência", respondeu Mandetta.

Ele esquivou-se de definir esse grupo como uma alternativa de centro. "A ideia é um projeto para uma nação que consiga aglutinar o país em um grande escopo político", explicou o ex-ministro.

Para Mandetta, mesmo não tendo carreira política, o apresentador Luciano Huck pode ser muito útil a esse projeto. "Todo brasileiro pode e deve contribuir, ele tem um grande 'observatório nacional'. Ajuda muito", afirma, referindo-se ao programa de TV em que Huck percorre várias regiões do país.

O ex-ministro Sergio Moro, outro integrante da articulação, foi um dos poucos a dar apoio a Mandetta quando os dois ainda estavam no governo Bolsonaro e o Ministério da Saúde resistia a seguir as diretrizes negacionistas do presidente. Vem daí a afinidade. "Sempre conversei com ele sobre o Brasil", conta Mandetta.

Segundo entrevista que Moro deu à jornalista Bela Megale, em O Globo, além de Huck e Mandetta, essa aglutinação de políticos para uma chapa em 2022 poderia incluir ainda o vice-presidente Hamilton Mourão e o governador de São Paulo, João Doria.